Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Setembro

por Miguel Bastos, em 01.09.23

Foi-se embora
O mês de agosto
Logo agora
Que lhe tomara o gosto

Autoria e outros dados (tags, etc)

Meco

por Miguel Bastos, em 28.07.23

meco.jpg

A "silly season" é injustamente desvalorizada. Escrito, há dois anos:

Mais velho - Mas, afinal, como é que é essa praia do Meco?
Pai - Oh filho, é uma praia igual às outras. Tem, apenas, uma diferença...
Mais velho - Qual?
Pai - É conhecida por ser uma praia de nudistas.
Mais velho - Como assim?
Pai - As pessoas não usam roupa. Portanto, quando chegarmos, vamos ter que tirar os calções.
Mais velho - Ai não vou, não!
Mais novo - Eu tiro! Eu tiro!
Mais velho - Estás maluco, ou quê?
Mais novo - Tu é que estás. Nem penses que nos vais estragar as férias, por causa das tuas vergonhinhas!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Revolução: Lisboa

por Miguel Bastos, em 14.07.23
20211222_094100.jpg

 

Ele há coincidências! Estava eu a ouvir este disco e a escrever este texto, quando fui alertado para o regresso, ao vivo, dos LX-90. Foi, ontem, no festival Super Rock.
 
Lisboa, anos 90: jovem, moderna, europeia, cosmopolita. Era uma Lisboa (ainda) imaginada, mas quase a chegar. A Lisboa Lx, CCB, 94, 98. É nessa Lisboa, que surge "Uma revolução por minuto": a aventura pós-Heróis do Mar de Rui Pregal da Cunha e Paulo Pedro Gonçalves. Enquanto Pedro Ayres Magalhães mergulhava na portugalidade dos Madredeus - fadista, tradicional, mediterrânea, de câmara - o cantor e o guitarrista dos Heróis, emergiam na pista de dança, numa mistura de rock e eletrónica, que os alinhava com as novas propostas de Londres e Manchester. Os Lx-90 tinham guitarras furiosas, baixo pulsante, bateria irrequieta, "beats", "loops" e "samples", um Dj (Vibe) e um mestre de cerimónias (Rui). O disco era um "blockbuster": uma superbanda, dois produtores britânicos, edição bilingue (português e inglês), vídeos e remisturas. Mas, foi um "flop". O público (oh, ironia!) preferiu a Resistência, com as versões acústicas de canções antigas, e o rock folclórico, dos Sitiados. Eles bem que cantavam "a revolução não pode parar", mas parou - antes, mesmo, de começar. Ou, então, continuou noutro local, sem eles. Os próprios não terão gostado muito do disco, porque partiram para outras bandas e fundaram outras bandas (inconsequentes), longe desta fusão de rock e dança. Os Lx-90 foram um caso único, em Portugal. Dancei-os, na altura. E descobri, esta manhã, que ainda se dançam muito bem.
 

Música aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=onb_SyCSQ_0&list=OLAK5uy_njAvmQwsu3-oW19jwNzQRFcQCs2iNCOMw&index=6

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não dormir

por Miguel Bastos, em 19.09.22

russia.jpg 

Andei a dormir mal. Não posso alegar desconhecimento. Afinal, o autor tinha avisado: "Quanto menos soubermos, melhor dormimos". Mesmo assim, quis saber. Comecei a ler o livro (e a dormir mal). Resolvi parar. As férias estavam à porta, havia demasiado cansaço acumulado, e, se andava a dormir mal, passei a dormir pior. Mas, não dá para fechar os olhos, indefinidamente. Voltei ao livro de David Satter, com a queda da União Soviética e tudo o que se levantou a seguir. Nada bonito de se ver: o assalto ao Estado, as expropriações, os monopólios, a corrupção, o crime organizado, as oligarquias, o terrorismo de Estado. A utilização das forças de segurança, como arma política. A guerra, como arma política. A guerra, como projeto político. Se não fosse tão credível, o livro de David Satter era, apenas, um retrato grotesco e apocalíptico. Assim, é só inqualificável. Ainda pensei se, depois de uma leitura tão avassaladora, seria boa ideia passar para o livro seguinte: "Na cabeça de Putin", de Michel Eltchaninoff. Hesitei. Depois, fiz como no poema de Cesariny: "fechar os olhos frente ao precipício e cair verticalmente no vício". A estreia da editora Zigurate, de Carlos Vaz Marques, também se faz à beira do precipício. Com dois livros, que são "livrinhos" por fora", mas muito densos por dentro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Setembro

por Miguel Bastos, em 12.09.22

praia.jpg

- Não está ninguém na praia.
- Pois não.
- Achas que é por causa do mau tempo?
- Não, é porque estamos em setembro.
- Pois, as pessoas estão fartas de praia.
- Exato. Se fosse agosto, estava cheia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

No fim do mundo

por Miguel Bastos, em 06.09.22

pomarao.jpg

Os portugueses foram até ao fim do mundo. Ainda vão. E continuam a deixar fins do mundo, atrás de si. No outro dia, estive num fim do mundo. Foi lá, a sul, numa varanda sobre o rio, que conhecemos Judy (chamemos-lhe assim): a serpentear por entre as mesas, a espalhar sorrisos e a sussurrar sotaque. Perguntamos-lhe pela origem do sotaque. Pergunta-nos pela origem do nosso. Respondemos. "Então, somos todos do norte", diz a sorrir, enquanto nos leva até à dona da varanda, "mas ela é da mesma terra que vocês". E, assim, recordamo-nos que o mundo é uma pequena aldeia. Uma aldeia repleta de fins do mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Produtos naturais

por Miguel Bastos, em 02.09.22

A Sofia chegou esta semana. Acaba de reparar que não trouxe os seus produtos de higiene e limpeza. "Não faz mal", digo eu, "não faltam produtos por aí". "Mas eu gosto muito dos meus", responde, "são naturais". A Sofia preocupa-se muito com o ambiente. De modo que, depois de uma consulta rápida na internet, vai até à localidade mais próxima, comprar os produtos que lhe fazem falta. Como não encontra o que procurava, acaba por ter que ir à localidade seguinte. Regressa, passados 80 quilómetros. Para ela faz sentido: o ambiente merece e agradece. Não vale a pena tecer muitas considerações sobre a opção da Sofia. Até porque - uns mais, outros menos - somos todos sofias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os pés

por Miguel Bastos, em 01.09.22

IMG_4600 (1).JPG

Queridos pés,
Peço desculpa por interromper, mas acabam de me dizer que está na hora de dar corda aos sapatos.
Obrigado
Miguel

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gorbachev

por Miguel Bastos, em 31.08.22

1987. A publicidade mostrava que a Nikita, do Elton John, não era uma exceção. A Perestroika confirmava que o Leste tinha as mulheres-soldado mais bonitas do mundo. O mundo estava a mudar, mas, no final, mudou menos (muito menos) do que se desejava. Mais preocupante: uma parte do mundo está com a democracia pelos cabelos. Gorbachev morreu. Tinha 91 anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais alto

por Miguel Bastos, em 30.08.22

O mais velho anda todo contente, porque é mais alto do que a mãe. Eu também, mas não ando por aí a gabar-me. Enfim...

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2024

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D