Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A balança do Presidente

por Miguel Bastos, em 12.03.19

Captura de ecrã 2019-03-12, às 15.43.31.png

O comentador Marcelo regressou à análise política. Foi ontem, à noite, na TVI. Marcelo analisou, com distanciamento, os três anos de mandato presidencial. Comentou a queda da popularidade, acima dos 80%, do Presidente. Comentou vetos e recomendações do Presidente. Comentou a forma como o Presidente esteve bem melhor do que o governo, nos incêndios de 2017. E, até, comentou a convicção de Miguel Sousa Tavares de que ele (Marcelo) será candidato à Presidência. E, no fim, o comentador Marcelo, foi comentado pelo comentador Miguel, que antes lhe estivera a pedir comentários.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Geometria euclidiana

por Miguel Bastos, em 08.02.19

circulatura.jpg

A Quadratura do Círculo, da SIC, mudou de canal e de nome. Agora, chama-se a Circulatura do Quadrado. Espero que fique na TVI. Senão, ainda vamos ter "A duplicação do cubo", na RTP. Ou "A trissecção do ângulo", no Porto Canal. Eu sei que a geometria é um assunto mais sexy do que a política. Mas o nome do programa é um bocado obtuso. Que é um ângulo maior que 90° e menor que 180°. (Fotografia da Presidência da República)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Coisas perigosas

por Miguel Bastos, em 04.01.19

goucha.jpg

Leio Manuel Luís Goucha no Público: "O politicamente correto é perigoso". Pois é, Manuel. Mas há coisas mais perigosas: esticar o braço direito com a palma estendida, cometer crimes contra pessoas de cor, lutar por audiências a qualquer preço... 

[Foto Rui Gaudencio/Público]

Autoria e outros dados (tags, etc)

O candidato Cândido

por Miguel Bastos, em 20.01.16

candidato candido2.jpeg

“Sorria, está na câmara do Cândido”. A frase do programa de apanhados, tem barbas. O candidato Cândido também. Mas não sorri. O candidato Cândido leva-se a sério. Deve ser o único.

 

O candidato Cândido já tinha ido a um debate na TVI24, apenas para dizer que não ia participar no debate. Ontem, na RTP, quando era questionado pelos jornalistas, não dava respostas. Disse que a sua campanha era descriminada pelos media, que não tinha espaço para debater as suas ideias, etc. E ele tem ideias. Por exemplo: tem ideia que Marcelo não foi à tropa; tem ideia que Paulo Morais não entregou as declarações ficais a tempo; tem ideia que Sampaio da Nóvoa não é licenciado em teatro. Para além de ideias, o candidato Cândido tem uma certeza: é o único que trata Costa por “tu”.

 

Exímio nas artes da oratória, Tino de Rans recusou a "intrigalhada" no debate e aproveitou para tratar a candidata Matias por “tu”. Marisa sorriu (e não foi para a câmara do Cândido). Ao pé do candidato Cândido, Tino é um político instintivo, perspicaz e sensato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Descobrir a careca

por Miguel Bastos, em 08.01.16

sofia careca2.png

Não sei bem quem é Sofia Ribeiro. Sei que é atriz. Sei que é conhecida das novelas. Sei que tem cancro, porque a própria decidiu comunicar, publicamente, a sua sua doença. E sei que, agora, partilhou a sua careca no Facebook. Vi a sua imagem. É uma mulher linda. Claro que já era linda, antes do cancro.

 

Fiquei a pensar na subjetividade da beleza. Noutro contexto, centrar a atenção na sua beleza poderia ser despropositado ou, mesmo, ofensivo. Imaginemos que Sofia era candidata a um cargo político ou convidada para a administração de uma empresa, ou concorrente a um prémio científico ou literário. Realçar a sua beleza poderia ser visto como uma forma de menorizar a sua experiência, o seu conhecimento, a sua inteligência. Por outro lado, à beleza física das modelos, das misses ou das actrizes, tem-se procurado adicionar outros recursos e atributos, como, por exemplo, a inteligência.

 

Mas, quando se tem uma doença (grave, como é o caso) ser bela, permanecer bela é muito importante. Para manter a sua dignidade e a sua auto-estima, mas também para atribuir dignidade a qualquer ser humano, face a uma doença como o cancro. O cabelo é só um pormenor. E foi isso que Sofia Ribeiro quis realçar...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Governo cai de quatro

por Miguel Bastos, em 10.11.15

governo quatro.jpg

O governo vai cair hoje. E vai cair quatro vezes, que é para não haver dúvidas. Cai de quatro. Ontem, começou a discussão do programa do governo. O governo acaba hoje. Antes, mesmo, de começar. O debate foi pobre, com a repetição de argumentos, de parte a parte. A coligação afirma que ganhou as eleições. A esquerda que tem na maioria no parlamento. É pouco. É curto.

 

No Parlamento, os líderes das bancadas do PSD e do CDS foram aguerridos e contundentes. No PS, Carlos César ensaiou um discurso de Estado. O Público sintetizou: “Direita travestida de oposição, esquerda em pose de Governo”.

 

À noite, na TVI, Adolfo Mesquita Nunes, do CDS, colocou bem o assunto. A coligação ganhou as eleições e é verdade é que não tem a maioria. Se ela existir, à esquerda, ela terá legitimidade para formar governo. O problema é que tudo indica que nem o Bloco, nem o PCP, nem o PEV vão ter representação no governo. E aí coloca-se a questão da maioria. Não há maioria. Há um partido, que perdeu as eleições e que vai governar, apenas porque conta ter o apoio dos partidos à sua esquerda.

 

Se este governo cai de quatro, o próximo nasce feito num oito.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Marcelo e a ortodoxia

por Miguel Bastos, em 13.10.15

marcelo2 despedida tvi.jpg

Marcelo Rebelo de Sousa apresentou-se como candidato a Presidente, na sexta, e despediu-se como comentador da TVI, no domingo. A TVI fez-lhe uma festa, com pessoas que se cruzaram com ele na estação. José Alberto Carvalho descreveu o momento como “pouco ortodoxo” e jornais como o Público e o Expresso deram uso à expressão.

 

Na forma, a opção pode não ter sido ortodoxa. Mas, na substância, foi. Aliás, o problema do "fenómeno" Marcelo foi esse. A imagem de comentador ousado, manipulador e traquina foi dando lugar a um Marcelo mais institucional. Durante o espaço de comentário na televisão, os seus interlocutores desistiam de ser jornalistas e passavam a ser seus alunos. Até na forma como se tratavam: ele era sempre o “Professor”, eles eram o “Zé Alberto”, a “Júdite" e o “Juca”. 

 

É pena, Marcelo (e nós) merecíamos mais acutilância. Ricardo Araújo Pereira conseguiu ter alguma, Maria Flor Pedroso também. Mas esses não estiveram na festa. O Marcelo brilhante, controverso, parcial, excêntrico, conspirador, contraditório também não foi. Ficou na (excelente) biografia de Vítor Matos. O da despedida da TVI foi apenas “ortodoxo”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vende-se Presidente

por Miguel Bastos, em 07.10.15

marcelo presidente.jpg

A noite era de legislativas, mas a TVI resolveu falar de presidenciais. Uma sondagem (mais uma!) dizia que Marcelo Rebelo de Sousa poderá ser o próximo Presidente da República. Marcelo, o comentador, estava a comentar as eleições e foi desafiado a comentar-se, uma vez mais. “Não vou comentar”, disse o professor, “ainda mais em noite de eleições”. José Alberto Carvalho insistiu. Marcelo pareceu incomodado, mas não cedeu.

 

No dia seguinte, Marcelo comentava “o dia seguinte”. José Alberto insistiu que gostaria que o professor comentasse a sondagem da TVI, sobre presidenciais, uma vez que “já não estamos em noite de eleições”. Marcelo recusou. Quando tiver que falar do assunto, não será na TVI.

 

A candidatura presidencial de Marcelo é um segredo de polichinelo. Marcelo joga com isso, divertido. Mas, a TVI podia ser mais discreta a tentar vender um presidente. Não lhe fica bem. Emídio Rangel disse que uma estação de televisão, com mais de 50% de share, vende um Presidente da República. Pode ser que sim. Pode, mas não quer dizer que deva. Marcelo sabe disso.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quente, Frio, Gelado

por Miguel Bastos, em 10.09.15

 passos costa2.jpg

O jogo já tem barbas. Uma pessoa esconde um objeto, a outra tem de o encontrar. A primeira ajuda a segunda com as indicações: “Quente”, “Frio”, “Gelado”. Também dá para se fazer o jogo com um facto ou com um pensamento. Por exemplo: “Adivinha quem é que eu vi hoje de manhã” ou “Adivinha quem é que ganhou o debate…”

 

O debate foi ontem. Passos Coelho e António Costa, perante três jornalistas, em simultâneo nas três televisões. As televisões venderam-nos “o debate decisivo”e exploraram o facto de “pela primeira vez, os dois principais candidatos debatem, em simultâneo, nos três canais de televisão”.

 

Para alimentar o “acontecimento”, houve uma grande aposta na análise e descrição dos bastidores do debate. Na TVI, José Alberto Carvalho falou, com Marcelo Rebelo de Sousa, sobre o nervosismo antes dos debates. Na SIC, Pedro Mourinho perguntou a António Vitorino e a Santana Lopes, se costumavam fazer exigências para os debates. Como as estrelas de rock, antes dos concertos. É que…

 

para o debate, António Costa pediu ambiente frio e Passos Coelho pediu água gelada. O resultado foi morno. Só podia ser…

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

CaMarcelo

por Miguel Bastos, em 20.07.15

marcelo tvi.jpg

Marcelo Rebelo de Sousa voltou a falar sobre presidenciais. Comentou o eventual avanço da socialista Maria de Belém Roseira e do social-democrata Rui Rio. Sobre Maria de Belém, Marcelo entende que a sua candidatura terá espaço, se o PS perder as legislativas. Sobre Rio, considera que vai ser candidato. Mas há outros candidatos que podem avançar: Alberto João Jardim, Pedro Santana Lopes e “não tem ideia do que os outros pensarão”. Há sorrisos na TVI. “Os outros”, são ele próprio. 

 

É o Marcelo do costume. Mas, surpreendentemente, quando José Alberto Carvalho pergunta se a candidatura de Rui Rio condiciona os outros candidatos, Marcelo surpreende com um “não” categórico. O PSD deve deixar apresentar toda a gente, não declarar apoio a ninguém e depois deixar ver (dentro do centro-direita) quem é que tem a possibilidade de vencer as eleições. Olhando para as sondagens, esse candidato é ele próprio. E aqui está, preto no branco, a sua estratégia.

 

O camartelo é usado nas demolições. O comentador é o CaMarcelo da estratégia do PSD.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D