Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Trovante

por Miguel Bastos, em 26.04.23

trovante chao.jpg

- Não me digas que gostas dos Trovante?
- Chegaram a ser das minhas bandas preferidas.
- Ai, não tenho paciência para aquela gente.
- Que gente?
- Os betos de camisa de marca, por fora das calças, e sapatos de vela e fios de cabedal...
- Pois, mas os Trovante não vieram daí.
- Não vieram da linha?
- Não, vieram da esquerda.
- A sério?
- Pensa no nome: "Trovante" é a junção de "trova" com "avante".
- Música de intervenção?
- Sim, politicamente empenhada. Misturavam música popular, com jazz e rock.
- Tens algum disco deles?
- Vários. Comprei o primeiro álbum deles numa discoteca...
- Na linha de Cascais!
- Não... numa loja onde a malta de esquerda se costumava juntar.
- Tenho que ouvir isso.
- Não tens, mas podes. E estás, sempre, a tempo.

Música aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=hml9ubcstRo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Lisboa de Eugénio

por Miguel Bastos, em 23.01.23

Para celebrar os 100 anos de Eugénio de Andrade, a minha rádio andou a passar músicas com as palavras do poeta. Esta foi uma das que ouvi. E lembrei-me que esta foi, talvez, a primeira vez que entrei em contacto com a sua poesia. Os Trovante voltaram, várias vezes, à grande poesia portuguesa. Por vezes, com resultados épicos. Não é o caso desta canção. "Lisboa" é "Descalça e leve": como o poema de Eugénio, como a poesia de Eugénio.
 
LISBOA
 
Alguém diz com lentidão:
"Lisboa, sabes..."
Eu sei. É uma rapariga
Descalça e leve,
Um vento súbito e claro
Nos cabelos,
Algumas rugas finas
A espreitar-lhe os olhos,
A solidão aberta
Nos lábios e nos dedos,
Descendo degraus
E degraus
E degraus até ao rio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O assobio da Cobra 2

por Miguel Bastos, em 27.09.22

manuel paulo.jpg 

O Manuel Paulo escreveu, cá para casa, há vários meses. O Manuel Paulo é músico, há vários anos. Nos anos 80, era "teclista" na banda do Rui Veloso. Nos anos 90, fundou, com João Gil, a sua própria banda: a Ala dos Namorados. Mas os holofotes estavam focados no compositor dos Trovante e num "alien" chamado Nuno Guerreiro (um homem, com voz de mulher?!). O Manuel estava lá, a fazer aquilo que sabe fazer melhor: música. Nunca teve pinta de "pop-star". Penso que nunca quis ter. Há quase 20 anos, assinou o seu primeiro disco em nome próprio: "O assobio da Cobra". Mas, nem aqui saltou para o primeiro plano. Cedeu (uma vez mais) o palco, às canções e às vozes que convidou. Este ano, voltou a repetir a receita. "O assobio da Cobra 2" tem vários cantores convidados (cantoras, sobretudo). Tem Nancy Vieira, A garota não e Ana Deus, logo a abrir. Na primeira canção, o Manuel nem sequer aparece. Apesar de ser teclista, muitas canções são dominadas pelas guitarras. As letras são do (genial) João Monge.
 
Por falar em letras, já o disse: o Manuel Paulo escreveu-me. Enviou o disco, por correio, com os endereços escritos à mão. Assinou o disco, por dentro. E eu, que mal sabia juntar as letras quando o vi, pela primeira vez. Eu, deixei o disco do Manuel Paulo dentro do envelope, esquecido entre as cartas com as contas da luz e da água e os folhetos das imobiliárias e dos supermercados. Eu, só agora cheguei ao disco do Manuel Paulo. Eu, na verdade, já nem o merecia ouvir. Mas o disco merece, certamente. Que belíssimo disco. As minhas desculpas ao autor. As minhas desculpas, a mim mesmo e a quem me trata das coisas do espírito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bacalhau com todos

por Miguel Bastos, em 26.03.18

ana bacalhau.jpg

Este não é um texto sobre gastronomia. É, apenas, um trocadilho básico, para falar de Ana Bacalhau. A própria encomendou uma letra a Capicua, para brincar com o seu nome, numa canção que funde hip-hop com música tradicional portuguesa. De resto, o seu primeiro disco a solo “Em nome próprio” está cheio de misturas: de estilos e de autores, novos e talentosos.

 
Faltava a prova ao vivo. Tive-a neste fim-de-semana. A cantora voltou a misturar. Desta vez, as canções do seu disco, com clássicos de Fausto, Trovante, Carlos do Carmo (Ary dos Santos / Paulo de Carvalho) e António Variações. Mas separou as águas, ao evitar canções da Deolinda. E agitou as águas, para não ficar em águas de bacalhau. Não gostei de tudo, mas apreciei-lhe a vontade de arriscar.
 
Ana Bacalhau é um exemplo do bom momento da música portuguesa. Um dos melhores períodos, de sempre. Que celebra o novo, apoiada num lastro que, durante muito tempo, foi ignorado. Porque todos queriam parecer modernos.
 
Mas, ser moderno não é comer fast food, como todos. Ser moderno, é gostar de Bacalhau, com todos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2024

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D