Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sadiq é o mayor

por Miguel Bastos, em 06.06.17

sadiq khan.jpg

Sadiq Khan pediu aos londrinos para não se alarmarem com a maior presença de polícia nas ruas. Foi criticado por Donald Trump, no twitter, por não levar o terrorismo a sério. Sadiq Khan já sabia (claro!) que tinham morrido 7 pessoas e que 48 pessoas tinham ficado feridas. Não foi preciso Trump dizer-lhe. Sadiq Khan não respondeu. Disse que tinha mais que fazer.

 

Sadiq Khan considerou o ataque cobarde e cruel. E que os londrinos não se devem deixar amedrontar. Está zangado e furioso. Mas, apelou à união. E praticou a união: ao lado de conservadores e trabalhistas; de médicos e polícias; bombeiros e líderes religiosos. Disse, ainda, que os terroristas odeiam a democracia. E que a ideologia que defendem é perversa e venenosa. Ele sabe que a luta não entre gente de cor diferente; ou entre gente de religiões diferentes. É entre a democracia e o totalitarismo. Entre liberdade e fanatismo.

 

Sadiq Khan prestou homenagem aos que morreram. Com gente de todas as cores e religiões. Sadiq Khan disse que os que matam em nome do Islão não o representam. Sadiq Khan é muçulmano. Sadiq Khan é o mayor. É mesmo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Outra vez

por Miguel Bastos, em 15.07.16

nice atentado.jpg

Atordoado pelos acontecimentos em Nice, resolvi publicar de novo um texto que escrevi em Novembro. Chama-se "Terroristas vencem sempre". Aqui vai ele. Acho que está actual. Infelizmente.

 

"O problema com o terrorismo, é que os terroristas vencem sempre. Vencem, quando falo do assunto. Venceriam, se o ignorasse. Vencem quando matam. Mas, também, quando falham.  Matar (ou tentar matar) uma pessoa (uma só) - no sítio certo, à hora certa - é motivo para colocarem os media, do mundo inteiro, a falar sobre o assunto. Com imagens contínuas, em “slow motion” ou “fast foward”. Com notícias e reportagens em direto. Com comentários de especialistas. Com fóruns de ouvintes e espectadores. Com capas de jornais e revistas. Com o tráfego da solidariedade e indignação online. Os terroristas vencem sempre.

 

Vencem com o crescimento da extrema direita e da intolerância. Vencem com os discursos “compreensivos”, que evocam o passado colonialista do ocidente ou a falta de políticas de integração. Vencem com as acções militares contra o inimigo. Vencem com o medo, com a raiva, com a violência.

 

Costuma-se dizer, por graça, que o futebol são 11 contra 11 e no final ganha a Alemanha. Com o terrorismo é a mesma coisa. Só que, neste caso, não tem graça nenhuma."

Autoria e outros dados (tags, etc)

... foi num bar gay

por Miguel Bastos, em 14.06.16

bandeira gay.jpg

 

Tenho estado atento às reações ao ataque terrorista em Orlando. É impressão minha, ou as pessoas estão-se a indignar, com muita moderação?

 

Haverá razões para isso? Já tinha pensado nalgumas razões. Por exemplo, no Europeu de futebol. Há luta de claques, greves, manifestações e, até, ameaças de terrorismo no Europeu. Mas, em Orlando não houve uma ameaça. Foi, mesmo, um ataque.

 

É certo que foi em Orlando. Não foi em Nova Iorque ou Londres ou Paris. Isso tem importância e será outra razão. Mas é inevitável chegar ao bar. Era um bar gay ou, se preferirem, LGBT.

 

As reações foram cautelosas. As notícias também. Como falar do assunto, sem ferir suscetibilidades? Houve demasiado cuidado com as palavras. João Miguel Tavares aborda (e bem) o assunto, no Público de hoje. Diz-nos, por exemplo que não faz sentido discutir se este foi um atentado terrorista ou um atentado homofóbico. Ele diria que foi “um terrorista assassinou 50 pessoas num bar gay americano”. Parece óbvio, mas ninguém disse. E era importante que o dissessem. Até porque terá sido o pior desde, pelo menos, o 11 de Setembro. E não parece… Toda a gente quis ser Charlie, mas ser Orlando parece mariquice.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Somos fascistas, yo!

por Miguel Bastos, em 28.03.16

bruxelas.jpg

Olho para as imagens dos manifestantes de extrema-direita na Bélgica, e não posso deixar de frisar a ironia. Os manifestantes de inspiração fascista usam streetwear: calças de corte largo, cinta descaída, base apertada; casacos de capucho. Os jovens fascistas vestem como os rappers americanos, que inspiraram os jovens de todas as cores, em todos os países do mundo. Europa incluída. Mesmo a Europa que exclui, ou pede exclusão.

 

Se calhar, não nos devíamos surpreender. O homem que defendeu uma Alemanha pura e dominante (“über alles”) era, na verdade, … austríaco. O homem que defende uma América sem emigrantes - Donald Trump - é descendente de emigrantes e marido e ex-marido de mulheres emigrantes.

 

Como estão preocupados com a segurança, os hooligans e skinheads acendem tochas e lançam petardos. A polícia não revistou os desordeiros. A polícia, que, de resto, já veio ameaçar fazer greve no aeroporto. Em nome da segurança.

 

Há muita gente a brincar com o fogo. E não são só os terroristas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Perfilados do medo

por Miguel Bastos, em 23.11.15

bruxelas terrorismo.jpg

“A vida sem viver é mais segura”, cantava, a partir de Paris, José Mário Branco. A canção chama-se “Perfilados do medo” (poema de Alexandre O’Neil). Foi registada, em 1971, num disco chamado “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”. Mudaram-se os tempo, é certo, mas o medo ficou. Ou, pelo menos, vai e volta. Paris tem medo. Bruxelas tem medo. Berlim, Londres e Madrid também têm medo. Toda a Europa tem medo.

 

Por isso, escrevi, aqui, que os terroristas vencem sempre. Não precisam de disparar. Basta meterem medo. Ouvi, esta manhã, na Antena 1 a descrição de Bruxelas, uma cidade paralisada. E ouvi soluções mágicas de ouvintes. Com voz de homem e atitude de macho, ditaram: é preciso bombardear o Estado Islâmico, na Síria. Pode ser uma acção necessária. Mas, não percebo como é que isso impede os terroristas de atacar Paris ou Bruxelas. É que os terroristas estão cá. Muitos deles, são de cá. Portanto, o assunto, não se resolve “lá”. Nem se resolve, passando de “Rebanho pelo medo perseguido” a fera que ataca sem sentido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terroristas vencem sempre

por Miguel Bastos, em 16.11.15

paris novembro.jpg

O problema com o terrorismo, é que os terroristas vencem sempre. Vencem, quando falo do assunto. Venceriam, se o ignorasse. Vencem quando matam. Mas, também, quando falham.  Matar (ou tentar matar) uma pessoa (uma só) - no sítio certo, à hora certa - é motivo para colocarem os media, do mundo inteiro, a falar sobre o assunto. Com imagens contínuas, em “slow motion” ou “fast foward”. Com notícias e reportagens em direto. Com comentários de especialistas. Com fóruns de ouvintes e espectadores. Com capas de jornais e revistas. Com o tráfego da solidariedade e indignação online. Os terroristas vencem sempre.

 

Vencem com o crescimento da extrema direita e da intolerância. Vencem com os discursos “compreensivos”, que evocam o passado colonialista do ocidente ou a falta de políticas de integração. Vencem com as acções militares contra o inimigo. Vencem com o medo, com a raiva, com a violência.

 

Costuma-se dizer, por graça, que o futebol são 11 contra 11 e no final ganha a Alemanha. Com o terrorismo é a mesma coisa. Só que, neste caso, não tem graça nenhuma.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Outubro 2019

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D