Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Respeito

por Miguel Bastos, em 08.03.23

"Tudo o que queres queres, meu doce, tu tens / Tudo o que precisas, filha, tu tens / A única coisa que eu te peço / É um pouco de respeito / Quando eu chego a casa". A canção de, Otis Reading, é de 1965. Fala de trabalho e do respeito por quem trabalha, mas talvez faça franzir o sobrolho quando o cantor diz à pessoa amada que é mais doce do que o mel, para lhe lembrar, logo de seguida, que que lhe dá todo o "seu" dinheiro e pede respeito "quando eu quero, quando eu preciso". Com quem então, uma canção machista?! Se não é, parece.

Otis morreu, dois anos depois. Não teve tempo para se aperceber do rumo que a canção tomou. Um furacão chamado Aretha Franklin gravou "Respect", nesse ano, e a canção tomou um sentido completamente diferente. Aretha começa por manter grande parte da letra, apenas com pequenas intervenções cirúrgicas: o "Tudo o que queres, meu doce, tu tens", passa a "eu tenho" e o "respeito" pedido/exigido Otis ora é suavizado, pelas manas Franklin no coro, com um "just a little bit/ só um bocadinho"; ora é enfantizado, por Aretha, quando soletra R-E-S-P-E-C-T e pergunta "Tenta perceber o que isso significa para mim". A partir daqui, o caldo está entornado: já em "fade" Aretha canta "Estou cansada / Pode ser que chegues a casa / E descubras que eu já me fui embora / Eu preciso de um bocadinho de respeito (só um bocadinho, só um bocadinho)".

Aretha transformou uma simples canção, num hino contra a discriminação racial e de género. RESPECT.

PS: Já agora, também nesse ano, Aretha Franklin gravou "You make me feel like a natural woman", de Carole King. Em 2015, a compositora foi homenageada no Kennedy Center e surpreendida por Aretha, no palco. Carole, em êxtase, ao lado do casal Obama. Para ver e ouvir aqui.

https://www.youtube.com/watch?v=pT4aRd-hCqQ

Vou chorar e já volto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

À boleia

por Miguel Bastos, em 27.12.22

bruce.jpg 

- Vais trabalhar?
- Vou.
- Dou-te boleia?
- Não vale a pena.
- Deixa-te de coisas. Cantamos pelo caminho.
- Obrigado, boss.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais ou menos

por Miguel Bastos, em 25.11.22

Gosto mais ou menos de Bruce Springsteen. Peço desculpa, mas é mesmo isso. Gosto (só!) mais ou menos, e sempre foi assim. Foi assim, quando o conheci, em 1984, a fazer concorrência no top de preferências adolescentes aos Bon Jovi, à Madonna e ao Bryan Adams. Gostava mais dele do que dos outros, mas, gostava (só!) mais ou menos. "Tens de ouvir para trás", diziam-me. Ouvi: "The River" (lindo!), "Born to Run" (Que explosão de energia!). Mais ou menos, mesmo assim. À medida que as canções iam correndo nos discos, eu ia perdendo o interesse. "Tens de ouvir o lado mais intimista". Ouvi "Nebraska" (boas letras, boas canções, boa voz). Mas, faltavam-me sempre coisas. Faltava-me um baixo pulsante e uma percussão inventiva. Faltava-me um naipe de metais, um coro de vozes negras, uma secção de cordas, uma guitarra funk. Faltava-me aquilo que Bruce Springsteen me dá no novo disco, tudo de uma só vez - que o homem tem fama de ser generoso. Gosto da versão de "Nightshift", a primeira canção que os Commodores editaram, depois da saída de Lionel Richie. É da altura de "Born in the USA" e é uma homenagem a dois mestres da soul: Jackie Wilson e Marvin Gaye. Representa bem o novo disco de Bruce Springsteen, que é (todo ele) uma homenagem aos grandes nomes da música negra. Pode não ser uma obra-prima, pode irritar alguns fãs, pode não ficar na galeria dos discos fundamentais. Mas, a mim, fez-me sorrir. E é melhor (muito melhor) que o Lionel Richie. Continuo a sorrir. Obrigado, patrão!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Whitney Houston

por Miguel Bastos, em 11.02.22

whitney.jpg

Whitney Houston morreu, há 10 anos. Há 10 anos, (lembro-me bem) os canais de notícias portugueses resolveram colocar imagens em direto dos canais americanos, para acompanhar as cerimónias fúnebres da cantora. A antecessora da CNN Portugal (que, não sei se se lembram, se chamava TVI 24) ia tentando acompanhar a cerimónia em direto, com narração em português. Viam-se imagens da família e de pessoas do mundo da música e do espetáculo, mas as pessoas, em estúdio, não as reconheciam. Entretanto, chamaram (e bem) algumas pessoas da rádio. Porém, também não ajudaram muito. Algumas, escolheram o registo pessoal e disseram coisa tão importantes como "quando saiu o 'Bodyguard' chorei baba e ranho" (algo que qualquer leitor da Crónica Feminina poderia ter dito). Outras, puseram o coração (e o ranho) ao largo e agiram como profissionais. "Aquela senhora deve ser avó da Whitney", dizia um. Era a cantora Aretha Flanklin. "Eu acho que não, acho que aquela é a Aretha Franklin. A mãe..." ("sim, a mãe, que disparate", dizia o da avó) "deve ser a outra senhora". A outra senhora era a cantora Dionne Warwick. "Que também é cantora", dizia a outra.
"É", disse eu, em voz alta "são todas. A Aretha Franklin é cantora (talvez a maior cantora "soul" de sempre). A Dionne Warwick (maravilhosa!) também é cantora. Mas não é avó, nem mãe de Whitney. É prima. E é sobrinha de Cissy Houston (também cantora), mãe de Whitney".
"Estás um bocado irritado", disseram-me lá em casa. "Estou", respondi, "porque ou isto não é importante e não sei porque é que estão a fazer esta emissão. Ou, então, convinha que não dissessem tantos disparates".
Whitney Houston morreu, há 10 anos, vítima dos mesmos excessos, de outras vedetas do mundo da música. Sempre achei que tinha uma voz e um talento muito superiores à sua música. Uma pena.
As televisões mudam de nome, mas continuam a fazer maratonas de disparates. Outra pena.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tanga fascista

por Miguel Bastos, em 04.02.22

Em 1981, os Heaven 17 lançaram "(We Don't Need This) Fascist Groove Thang". A canção fazia alusões a Margaret Thatcher e referências diretas a Ronald Reagen, e alertava para os perigos do racismo e do fascismo. A banda vinha da eletrónica de laboratório, mas adorava "soul" e "funk" e, na melhor tradição da cultura negra norte-americana, fez uma música que apelava à dança, com uma letra que recorria ao calão da rua. "Thang" é "thing", mas eu sempre gostei de pensar que era "tanga". Traduzindo: "Nós não precisamos desta tanga fascista". A difusão da canção esteve proibida pela BBC. A mesma BBC que, 30 anos depois, os convidou para esta interpretação enérgica de "Fascist Groove Thang". Entretanto, passaram 10 anos. A música continua irresistível. A letra continua atual. Demasiado, até. Dancemos, então.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Piar fininho

por Miguel Bastos, em 09.08.21

Os Bee Gees já eram estrelas pop, há vários anos. Mas a coisa só começou a piar fininho (muito fininho), a partir de 1975. Foi, nessa altura, que o falsete de Barry Gibb se revelou. A verdade é que os irmãos Gibb adoravam as grandes vozes da "soul music". Em 1967, chegaram, mesmo, a escrever"To Love Somebody" para Otis Redding, mas o cantor morreu nesse ano. Em1972, outra glória da música negra, Al Green, pegou numa canção (já conhecida) dos Bee Gees e deu-lhe o toque "soul" que a canção pedia. Três anos depois, os Gibb perderam a vergonha e - apesar de serem cantores brancos, ingleses e devotos dos Beatles - decidiram abordar a música negra e emular os seus cantores. Alguns milhares não gostaram, alguns milhões renderam-se. Oficialmente, a mudança deu-se a canção "Jive Talkin'" e o álbum "Main course", mas eu acho que começou aqui. Ora ouçam:

How Can You Mend a Broken Heart

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tempo de verão

por Miguel Bastos, em 21.06.21

Pessoas distraídas (sim, estou a falar para pessoas tipo eu): o verão já chegou!
E, no verão, diz a canção dos irmãos Gershwin, a vida é mais fácil.
"Summertime" nas mil e uma vozes de Al Jarreau, com um solo de pandeireta de Paulinho da Costa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Marvin Gaye

por Miguel Bastos, em 01.04.21

Marvin Gaye morreu, faz hoje 38 anos. Em 2021, há quem insista que Marvin não morreu. Como os malucos que acham que o Elvis continua vivo. Mas, neste caso, os malucos fazem bem. Estes malucos fazem mesmo bem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Princesa

por Miguel Bastos, em 26.03.21

diana.png

Sou um republicano, com um fraquinho por princesas. E, hoje, a Princesa Diana faz anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fase negra

por Miguel Bastos, em 23.10.20

fase negra.jpg

Acho que estou, novamente, numa fase negra. Mas, não se preocupem: estou a adorar.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2024

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D