Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rimas estrangeiras

por Miguel Bastos, em 08.03.24

godinho.jpg

- Pai, ainda falta muito para chegarmos?
- Um bocadinho.
- Podemos fazer qualquer coisa, para passar o tempo?
- Podemos fazer rimas.
- Começas tu?
- Pode ser: Vamos para o norte / Ou vamos para o sul
- Ahhhh... hummm...
- Desculpa, filho, não deve haver muitas palavras a rimar com "sul".
- Já sei. Podes repetir?
- Sim. Vamos para o norte / Ou vamos para o sul.
- Vamos para a praia / Ou para a swimming pool.

Viu, Godinho? Se um dia destes, precisar de alguém para ajudar nas letras... 
(que, como sabemos, não é o seu forte...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Godinho no mundo

por Miguel Bastos, em 26.11.23

godinho.jpeg  

É, acho que começo a gostar desse tal de Godinho.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dois cantos

por Miguel Bastos, em 25.11.23

godinho.jpeg 

Ainda a propósito da genialidade do vídeo de homenagem ao Sérgio Godinho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O primeiro dia

por Miguel Bastos, em 24.11.23

"Homenagear os mortos e cuidar dos vivos" é uma frase batida.
Que não se espere pela morte, para a homenagem devida.
(Viram? Rimei!)
Um momento terno, que o Sérgio é eterno.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Português do mundo

por Miguel Bastos, em 07.03.23

Esta semana, Salvador Sobral vai cantar, pela primeira vez, no Brasil. Caetano Veloso atira: “Para mim, [é] um dos maiores cantores que existem. Salvador Sobral, lisboeta do mundo". Em cheio.
 
Há uns anos, num programa de rádio, falava-se no tratamento desigual que, alegadamente, portugueses e brasileiros davam aos artistas do país irmão: os brasileiros, sempre bem recebidos em Portugal; os portugueses, ignorados no Brasil. Tendo a dar alguma razão ao argumento: nós ouvimos o Caetano, eles ignoram o Godinho. Mas, depois, fui assaltado pelos contra-argumentos do convidado brasileiro: o Brasil é muito grande, tem uma grande riqueza musical e grande parte dessa música não chega a Portugal. Quem chega, então? Os grandes da MPB (como Caetano, que vai regressar em Setembro), a bossa nova, a música de má qualidade ("o nosso pimba", dizia o senhor brasileiro). "Repare", dizia, "o Caetano vem a Portugal, porque é um cantor do mundo inteiro. Ele está a meio de uma digressão europeia, volta a casa e segue para o Japão". Caetano é do Brasil, sim, mas do mundo, também. O mundo - que Caetano atribui, agora, a Salvador.
 
Temos artistas do mundo e nem sempre nos apercebemos disso. Nem, mesmo, no caso mais flagrante: Amália. Amália não foi a maior cantora portuguesa: foi/é das melhores cantoras do mundo. Portuguesa, sim, mas do mundo. Carlos do Carmo foi/é dos maiores cantores do mundo. Mesmo que grande parte do mundo não saiba (falem com mundo, por favor). E temos, vários, casos atuais. Salvador, se ainda não for do mundo, está lá perto. Caetano diz que já é. Veloso é generoso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os Sobreviventes

por Miguel Bastos, em 04.05.22

sobreviventes.jpg

50 anos, faz este disco, 50. Meio século deste disco, de uma vida. A minha. Foi o Júlio quem mo deu. Primeiro, emprestou-mo. Ouviu-o de um lado e do outro, depois do outro lado e do outro e do outro. Tem dois lados, eu sei. Quem diria. Quando achei que já o tinha ouvido de todos os lados, depositei-o nas mãos do Júlio. "Fica com ele", disse-me. "Nem pensar". "A sério", insistiu, "tu gostas mais dele, do que eu". "Até pode ser, mas é teu". "Esquece, eu gosto mais de rock". "Mas, este, até tem um bocado de rock", digo-lhe. "É, mas tem demasiado Bob Dylan. E eu sou mais Rolling Stones". Certo. Dos Rolling Stones, o Júlio passou para os Metallica e para bandas que nem gosto, nem conheço. Eu fui para outros lados, mantendo o Godinho por perto, deixando o Júlio fugir para longe. Este é um disco de viagem. De tantas viagens. Os Sobreviventes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bowie 75

por Miguel Bastos, em 08.01.22

bowie.jpg

Ter dois amigos ou familiares, que não se gostam, na sala de estar, é das coisas mais embaraçosas que existem. Tendencialmente, achamos que, se a pessoa A gosta de nós e a pessoa B também, elas devem-se gostar entre si. Infelizmente, descobrimos que, muitas vezes, não é assim. E passamos a ter que convidar um ou outro, alternadamente. Passa-se o mesmo, com os nossos heróis.
No livro "Verdade tropical", Caetano Veloso escreve acerca da surpresa que teve, ao descobrir que o seu herói, João Gilberto, não gostava de Chet Baker. Confesso que também fiquei surpreendido. E, mais ainda, ao descobrir, no mesmo livro, que o meu herói, Caetano, não gostava de David Bowie. Não dá a entender, diz, preto no branco, que não gosta. Sem se importar com os meus sentimentos. Bowie também é o meu herói (com Caetano e Godinho, compõe, talvez, a minha "Santíssima Trindade"). Bowie faria, hoje, 75 anos. Hoje, vou juntá-lo, na minha sala, com Caetano. Pode ser que resulte. Nem que seja "Just for one day". Veremos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Portugal à espera

por Miguel Bastos, em 15.06.21

 - Ai, Portugal, Portugal do que é que estás à espera?
 - Então, estou à espera da hora do jogo. O que é que queres que eu faça?

Autoria e outros dados (tags, etc)

E a Poesia?

por Miguel Bastos, em 15.03.21

paulo condessa poesia a mesa.jpg

"E a Poesia? Mera alínea?", pergunta Sérgio Godinho no "Lamento de Rimbaud". A partir de hoje, há poesia em S. João da Madeira. Não há Raimbaud, mas há Herberto Hélder, Fernando Assis Pacheco ou Mário-Henrique Leiria. A "Poesia à Mesa" serve-se na internet. Uma janela de oportunidade, para quem não tem postigos.

https://www.rtp.pt/noticias/cultura/festival-poesia-a-mesa-comeca-hoje-em-sao-joao-da-madeira_a1304586

Autoria e outros dados (tags, etc)

Às vezes o amor

por Miguel Bastos, em 02.02.21

(Ouvimos Godinho, à hora de dormir)
- Esta música pareces tu a brincar com o mano, diz o mais velho.
- Porquê?, pergunto eu.
- Repara na letra: "Se morreres só te peço/Da morte volta sempre em vida".
- E...?
- Parecem as vossas brincadeiras, quando o mano te quer matar e tu começas a impor condições.
É verdade, costumo negociar as condições da minha morte com o mais novo. Eis alguns exemplos:
- Pai, vou-te matar!
- Ok, filho, mas mata-me ao pé do sofá, para eu cair com algum conforto.
Ou:
- Pai, vou-te dar um tiro.
- Certo, mas aqui está muita gente. Mata-me num local onde eu tenha mais privacidade.
Ou, ainda:
- Oh não, pai, acho que vou morrer!
- Tudo bem, filho, podes morrer. Mas, não te esqueças que o jantar é às oito. Se te atrasares, a mãe fica preocupada.
Eu e os meus filhos morremos muito, mas sempre com responsabilidade. Deve ser o amor, "Às vezes o amor".

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2024

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D