Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bowie - Sete anos

por Miguel Bastos, em 08.01.23

Bowie morreu, há sete anos.
Sete anos depois, continuo sem conseguir ouvir "Blackstar" - o requiem de Bowie, que me deixou com um nó na garganta.
Sete anos depois, ouço "Seven": "seven days to live my life / Or seven ways to die". Sete.

Autoria e outros dados (tags, etc)

À boleia

por Miguel Bastos, em 27.12.22

bruce.jpg 

- Vais trabalhar?
- Vou.
- Dou-te boleia?
- Não vale a pena.
- Deixa-te de coisas. Cantamos pelo caminho.
- Obrigado, boss.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais ou menos

por Miguel Bastos, em 25.11.22

Gosto mais ou menos de Bruce Springsteen. Peço desculpa, mas é mesmo isso. Gosto (só!) mais ou menos, e sempre foi assim. Foi assim, quando o conheci, em 1984, a fazer concorrência no top de preferências adolescentes aos Bon Jovi, à Madonna e ao Bryan Adams. Gostava mais dele do que dos outros, mas, gostava (só!) mais ou menos. "Tens de ouvir para trás", diziam-me. Ouvi: "The River" (lindo!), "Born to Run" (Que explosão de energia!). Mais ou menos, mesmo assim. À medida que as canções iam correndo nos discos, eu ia perdendo o interesse. "Tens de ouvir o lado mais intimista". Ouvi "Nebraska" (boas letras, boas canções, boa voz). Mas, faltavam-me sempre coisas. Faltava-me um baixo pulsante e uma percussão inventiva. Faltava-me um naipe de metais, um coro de vozes negras, uma secção de cordas, uma guitarra funk. Faltava-me aquilo que Bruce Springsteen me dá no novo disco, tudo de uma só vez - que o homem tem fama de ser generoso. Gosto da versão de "Nightshift", a primeira canção que os Commodores editaram, depois da saída de Lionel Richie. É da altura de "Born in the USA" e é uma homenagem a dois mestres da soul: Jackie Wilson e Marvin Gaye. Representa bem o novo disco de Bruce Springsteen, que é (todo ele) uma homenagem aos grandes nomes da música negra. Pode não ser uma obra-prima, pode irritar alguns fãs, pode não ficar na galeria dos discos fundamentais. Mas, a mim, fez-me sorrir. E é melhor (muito melhor) que o Lionel Richie. Continuo a sorrir. Obrigado, patrão!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eu, tu, we

por Miguel Bastos, em 16.11.22

fire.jpg 

No início, era a pandemia: o confinamento, o isolamento. O último disco dos Arcade Fire parte daí: da ansiedade ("Age of Anxiety"), da toca de cada um ("Rabbit Hole"). Começa centrado no "eu", mas evolui para um "nós". É um disco de introspeção, mas também de catarse, de redenção e de conexão. Um disco fotografia; mas, também, um disco cartão-postal: "Espero que este postal te encontre bem de saúde" / "Nós, por cá, tudo bem". No fundo, é o disco que eu estava a precisar de ouvir, por estes dias. Um disco que me faz regressar à minha adolescência: quando achava que as canções podiam salvar-me; quando achava que as canções podiam salvar o mundo. Por esta ordem, ou pela ordem inversa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mário Barreiros

por Miguel Bastos, em 11.10.22

MARIO BARREIROS CASA MUSICA.png

"Que engraçado", pensei, "o tipo dos Jáfu'mega anda a tocar jazz com o António Pinho Vargas". Na minha cabeça, Mário Barreiros tinha trocado a guitarra pela bateria, e o rock pelo jazz . Afinal, (soube depois) a coisa já vinha de trás e manteve-se à frente. Reencontrei Mário Barreiros na banda de Rui Veloso e em várias formações de jazz. Antes, mesmo, de se transformar num produtor omnipresente em Portugal, com a sua marca e o seu vasto talento em discos de Pedro Abrunhosa, Clã, Ornatos Violeta, Silence 4, David Fonseca, Blind Zero, Da Weasel ou Xutos e Pontapés. Mário Barreiros continua a tocar bateria. Amanhã (não faço ideia) poderá estar a tocar com os The Gift. Hoje, de certeza que não: tem dois quartetos, para levar à Casa da Música.

https://www.rtp.pt/noticias/cultura/mario-barreiros-vai-apresentar-ao-vivo-novo-disco-dois-quartetos-sobre-o-mar_a1438846

Autoria e outros dados (tags, etc)

Grandes discos

por Miguel Bastos, em 14.09.22

20220911_110358.jpg

Há mais de 30 anos, comprei o disco "Wind and Wuthering", dos Genesis. Na altura, nem o conhecia bem. Arrisquei, mas estava riscado. Voltei à loja, para o trocar. Não havia outro igual. Saí da loja com "Seconds Out" - também dos Genesis - um álbum duplo, ao vivo. Só que o outro ficou-me atravessado. Até agora. Acabo de comprar o disco "Wind and Wuthering". E acabo de reparar que, entretanto, os discos encolheram. Mesmo os grandes discos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A voz

por Miguel Bastos, em 12.07.22

the doors.jpg

A bateria começa, marcial. "Daqui ninguém sai vivo", dispara a voz .
- Esta voz é péssima, pai.
- Achas?! Esta é das melhores vozes da história do rock!
- Estás a brincar, pai? O tipo não sabe cantar!
- Vou-te pôr o "Love Street". Quando quer, este tipo é um Sinatra.
- Ó pai, isto não é rock!
- Está esquisito, o menino!
- Desiste, pai. Não gosto.
- Não desisto. Por cada janela que se fecha... abrem-se portas.
- É ao contrário, pai.
- Era uma piada. The Doors... Percebes?
- Ahhh, posso trocar o disco?
- Não. Vamos ouvir.
- A sério, pai...?
- A sério.
Not to touch the earth... Not to see the sun...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Duran in Rio

por Miguel Bastos, em 27.06.22

duran duran.jpg

Parece que é consensual: os melhores discos dos Duran Duran são os dois primeiros ("Duran Duran" e "Rio). Há quem junte o terceiro ("Seven and the Ragged Tiger"). E, depois, há dois singles fundamentais ("Wild Boys" e "A View to a Kill"). Para muitos, a banda morreu aqui: em 1985. Segue-se um "Rise and Fall" (sem "Ziggy Stardust") de várias décadas: o álbum "Notorious" dividiu os admiradores; os dois seguintes foram considerados uma desgraça. Porém, em 1993, voltam a ter dois clássicos ("Ordinary World" e "Come Undone"). Segue-se uma nova queda livre, de três discos. Até que, em 2004, a banda reagrupa a formação original e edita "Astronaut". O disco não é grande coisa e o guitarrista sai da banda, que insiste em derrapar. Em 2013, o produtor Mark Ronson (Adele, Amy Winehouse) anuncia aquele que deveria ter sido o sucessor de "Rio". A banda edita "All you need is now" e volta a ser "cool". Segue-se "Paper Gods", que lhes volta a dar um grande sucesso ("Pressure off"), e, finalmente, "Future Past".
 
Apesar dos altos e baixos, dizer que a banda acabou em 1985 não faz sentido. Mesmo nos discos menos inspirados, os Duran Duran têm boas canções. Enquanto os fãs e os outros discutem se o espetáculo do Rock in Rio foi o melhor ou o pior de sempre, eu olho para o alinhamento e abro a boca de espanto. É uma mistura de canções do último disco, com os sucessos até 85. Com, apenas, 3 exceções. Como se os Duran Duran dessem razão a quem lhes reduz a carreira à primeira metade dos anos 80 e lhes reduz a música a meia dúzia de clichés. Que pena!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vira o disco

por Miguel Bastos, em 06.06.22

ian anderson.jpg

Com a morte recente de Vangelis, voltei a ouvir "Friends of Mr. Cairo" - disco em parceria com Jon Anderson, dos Yes. E, depois, este "Walk into Light", de Ian Anderson, dos Jethro Tull. Sempre associei os dois discos: juntam dois cantores veteranos do rock progressivo (com nomes quase iguais, ainda por cima), com dois mestres da eletrónica - Vangelis e Peter-John Vettese. Os dois discos afastam-se do progressivo e enveredam por territórios pop, com uma sonoridade mais próxima de nomes como os Kraftwerk ou Ultravox. No caso de "Walk into Light", até os temas das letras se aproximam a estas bandas, com um certo gosto pela modernidade e pela tecnologia ("End Game", "User-Friendly") ou por uma certa ideia romantizada da Europa ("Different Germany"). Já não ouvia "Walk into Light" - com os seus sintetizadores, samples e caixas de ritmo - há muitos, muitos, anos (10? 15? 20?). E a verdade é que se ouve muito bem. Para já, vai ficar mais alguns dias a tocar no prato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terra mar

por Miguel Bastos, em 17.05.22

O treino foi em terra, que havia tempestade no mar. O barulho da chuva - ora vai, ora vem - lembrava o som das ondas. Tudo se tornou monótono. "Vou pôr música, para animar", disse-nos o nosso capitão. A música dos Clash espalhou-se pelo pavilhão. Senti a metamorfose: de "índio da meia-praia", a "punk" da meia-idade.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2023

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D