Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Festa

por Miguel Bastos, em 12.04.19

farage.jpg

Nigel Farage acaba de fundar um novo partido. Chama-se Brexit Party. O nome está bem escolhido. A política britânica é uma festa.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Falta de chá

por Miguel Bastos, em 11.04.19

chá.jpg

Era o país da pontualidade, mas, nos últimos meses, passa a vida a chegar atrasado. Enfim, uma vergonha. E agora, que já são 6 horas, vou tomar o meu chá das 5. Com a vossa licença...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Viagem de finalistas

por Miguel Bastos, em 30.01.19

Brexit. Theresa May tem missão de risco em Bruxelas

Querida Theresa,

Como eu a compreendo. Uma vez, há muitos anos, liderei um processo parecido com o seu. Foi uma viagem de finalistas. Combinámos o destino e tentámos marcar a viagem numa agência - uma Euro-qualquer coisa, como se usava na altura. Quando tudo parecia decidido, houve quem não gostasse do preço e desistisse. Com essas desistências, a viagem ficou mais cara e outros desistiram a seguir. Tentei outros destinos, o que agradou a uns, mas levou a novas desistências. E os preços voltaram a subir. A última marcação veio com ultimato: "ou isto ou nada". Acabámos, uns poucos resistentes, exilados na Madeira, como o seu compatriota Churchill. Se precisar de mim, disponha. Boa sorte lá com os seus colegas e com a sua euro-agência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Brexit: de saída...

por Miguel Bastos, em 09.07.18

brexit.png

Os britânicos são bons a sair. O Brexit é a prova disso mesmo. O antigo primeiro-ministro David Cameron saiu, antes mesmo da saída começar. Ontem, saíram o ministro do Brexit (David Davis) e o seu número 2 (Steve Baker). Hoje saiu Boris Johnson. Mas esta coisa de sair, ainda pode melhorar. Basta que os britânicos descubram porque é que saem, para quê, para onde e por onde…

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ganhar ou perder é desporto

por Miguel Bastos, em 08.06.17

may eleicoes.jpg

Theresa May resolveu convocar eleições. Porque o país estava a precisar? Porque perdeu a confiança dos eleitores? Não. Apenas, porque achava que as podia ganhar.

 

Vamos a um ponto de situação. O seu antecessor, David Cameron, quis ter sol na eira e chuva no nabal. O nacionalismo e o populismo cresceram, dentro e fora do partido conservador, e Camerou achou que podia usar o descontentamento nas negociações com a União Europeia. Ameava sair e, depois, resolvia ficar, com melhores condições. O tiro saiu-lhe pela culatra e Cameron demitiu-se.

 

Ficou Theresa May que, também, fez campanha pela permanência, e que, agora, é uma entusiasta da saída. Não lhe fez confusão defender uma coisa e o seu contrário. Nem ser primeira-ministra, sem voto popular. Mas as sondagens davam-lhe uma vitória confortavel sobre os trabalhistas e Theresa não resisitiu. Pediu eleições. Só que Corbyn (qual Lili Caneças) provou que estar vivo é o contrário de estar morto. E parece que os trabalhistas vão ter um bom resultado.

 

Ou seja, May deverá ganhar (mas à justa) e sair fragilizada. Pelo meio, não se discutiu Brexit nenhum; a campanha falou de questões internas e deram-se dois atentados. Atentados que vieram lembrar que foi May quem retirou dinheiro, pessoas e equipamentos às forças de segurança. Teresa queria ganhar por muitos. Mas não vai ganahr nada com isto. Nem ela, nem ninguém. Mas, no fundo, "Ganhar ou perder é desporto".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sadiq é o mayor

por Miguel Bastos, em 06.06.17

sadiq khan.jpg

Sadiq Khan pediu aos londrinos para não se alarmarem com a maior presença de polícia nas ruas. Foi criticado por Donald Trump, no twitter, por não levar o terrorismo a sério. Sadiq Khan já sabia (claro!) que tinham morrido 7 pessoas e que 48 pessoas tinham ficado feridas. Não foi preciso Trump dizer-lhe. Sadiq Khan não respondeu. Disse que tinha mais que fazer.

 

Sadiq Khan considerou o ataque cobarde e cruel. E que os londrinos não se devem deixar amedrontar. Está zangado e furioso. Mas, apelou à união. E praticou a união: ao lado de conservadores e trabalhistas; de médicos e polícias; bombeiros e líderes religiosos. Disse, ainda, que os terroristas odeiam a democracia. E que a ideologia que defendem é perversa e venenosa. Ele sabe que a luta não entre gente de cor diferente; ou entre gente de religiões diferentes. É entre a democracia e o totalitarismo. Entre liberdade e fanatismo.

 

Sadiq Khan prestou homenagem aos que morreram. Com gente de todas as cores e religiões. Sadiq Khan disse que os que matam em nome do Islão não o representam. Sadiq Khan é muçulmano. Sadiq Khan é o mayor. É mesmo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A afirmação da Europa?

por Miguel Bastos, em 30.05.17

angela merkl.jpg

Já foi o rosto da crise da Europa. Mas, entretanto, vieram outras crises. Os refugiados: a caminho da Europa. O Reino Unido: a sair da Europa. Le Pen: a crescer, contra a Europa. A Rússia: a lançar Trump, por cima da Europa. E Trump: sem saber o que é a Europa. Merkel sabe, claro. E é, cada vez mais, a afirmação da Europa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

May há só uma

por Miguel Bastos, em 22.07.16

may ha so uma.jpg

Não me tinha apercebido da importância da questão da maternidade na escolha da sucessora de David Cameron. A adversária de Theresa May resolveu dizer que seria melhor primeira-ministra, porque era mãe. Theresa respondeu que ela e o marido não puderam ter filhos e que não queria aprofundar o assunto. Disse, ainda, que não lhe parecia que isso afetasse (positiva ou negativamente) a sua capacidade de governar o Reino Unido. Fez bem. Andrea Leadsom achou que a maternidade lhe traria votos. Não trouxe, felizmente. Entretanto, Theresa, a magna, nomeou Andrea para o governo.

 

A esfera privada é sempre uma área sensível. Na política, ainda mais. A regra devia ser sempre a reserva. Mas, nem sempre foi assim. Bill Clinton, por exemplo, esteve à beira da destituição, por causa de um affair. Contrariamente ao que seria expectável, o povo americano achou que a sua vida sexual não afetava o seu desempenho enquanto presidente. Felizmente, "o mundo pula e avança". Em Portugal, podemos ter um Presidente da República sem primeira-dama. No Reino Unido, é possível ter uma primeira ministra sem filhos. Isso só pode ser bom sinal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Yes we May

por Miguel Bastos, em 14.07.16

yes we may.jpg

Theresa May é a nova primeira ministra do Reino Unido. May foi contra a substituição de Tony Blair por Gordon Brown. Porque não houve eleições. Agora é primeira ministra, sem eleições. Porque mudou de opinião? Não, porque mudou de cargo. May chega ao cargo afirmando que “Brexit é Brexit”. May era eurocéptica. No entanto, fez campanha pela manutenção do Reino Unido na União Europeia. Agora, vai implementar o Brexit, na companhia de Boris Johnson. Johnson era o líder da ala conservadora que fez campanha pela saída. Agora, lidera a diplomacia do novo governo. Dá para perceber? Em teoria não. Na prática, sim. Percebe-se muito bem…

 

Quando Obama usou o slogan “Yes we can” lembrei-me da minha professora de inglês. Quando lhe que pedíamos licença para fazer alguma coisa usávamos a expressão “Can I?”. Ao que ela respondia “No, you can not. But, yes you may”. “May” é mais formal do que “Can”. Mas também tem menos força. O “Yes we Can", de Obama, sugeria capacidade de fazermos coisa juntos. Era sonho e utopia. Substituir “Can” por “May” não é só jogar com as palavras e com o sobrenome da nova primeira ministra. É substituir a utopia pela “realpolitik”. Mas, também, a convicção pela conveniência. E pela incerteza.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Só neste país

por Miguel Bastos, em 05.07.16

so neste pais.png

Portugal joga à bola com o País de Gales. Estamos no Europeu, as coisas não nos correm mal, antes pelo contrário. Mas, há quem insista em realçar que não estamos a jogar bem, que, até agora, só temos empates, etc. Se Portugal perder com o País de Gales vai ser um mar de gente a dizer “eu sabia”, “eu não te dizia”. São os que dizem que o Cristiano não joga nada e, quando ele marca respondem “estava a ver que não” ou “vá lá, nem sei como é que ele meteu aquele golo”.

 

O selecionador nacional lembrou que muita gente, que jogava bonito, já está em casa. Fez bem. Os Ingleses, por exemplo, são uma grande potência potência de futebol e nunca passam da cepa torta. Nos últimos anos, a Selecção Nacional tem estado sempre presente nas competições internacionais e, na generalidade, tem feito boa figura. Nada mau. Mas é claro que podia ser melhor. Pode sempre. Não somos os melhores. Nunca fomos. Mas também não somos os piores. Era melhor admitirmos as duas coisas, para não andarmos sempre no “vai abaixo e vai acima… pessimista, optimista…” da canção do Sérgio Godinho. A canção chama-se, apropriadamente, “Só neste país”, que é uma das frases mais reveladoras e mais irritantes que temos. Diz Godinho: “Portugal é nosso p'ro bem e p'ro mal”. Com ou sem vitória, neste ou no próximo jogo. Mas, se poderem ganhar... 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D