Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quecaria

por Miguel Bastos, em 11.10.21

santana cortes.jpg

"Se queriam jogar ténis ou padel", diz Santana na televisão, "tinham de vir para a cidade, p'ro meio da 'quecaria'". Santana justifica a dívida deixada na autarquia da Figueira da Foz, com os investimentos nas freguesias rurais.

"Quecaria" (nem sei se é assim que se escreve!). "Quecaria". Onde é que será que Santana aprendeu a palavra? Não foi, certamente, com os meninos da Lapa (é demasiado cidade). Já sei, só pode ter sido com a "fricalhada" da Quinta da Marinha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Falta gasolina

por Miguel Bastos, em 01.10.21

sem gasolina.jpg

Coisa de filme-catástrofe. O primeiro-ministro britânico colocou os militares de prontidão. A ordem pública está ameaçada. Por causa dos estrangeiros. Melhor dizendo, pela falta deles. As pessoas correram que nem doidas para as bombas de gasolina. O risco de faltar gasolina é real, porque faltam motoristas que garantam o abastecimento. E não é só de gasolina. Teme-se a falta de alimentos, produtos de higiene, medicamentos, bebidas. Quase tudo. A coisa está de tal forma, que Boris Johnson - que se tem dedicado a transformar o Reino Unido numa ilha, novamente isolada, e a expulsar trabalhadores que eram "europeus" e agora são "estrangeiros"; Boris Johnson - que até foi salvo por um enfermeiro estrangeiro (português, no caso) que trabalhava para o sistema nacional de saúde que ele não gostava, mas depois parece que, afinal, até passou a gostar; Boris Johnson - dizia eu - que fez o Brexit e andou a expulsar os trabalhadores estrangeiros para fazer um "Great Britain, Great Again", autorizou a contratação de 5 mil camionistas estrangeiros, para resolver o assunto.
 
É claro que esta gente devia-lhe fazer o gesto bonito que Rafael Bordalo Pinheiro imortalizou, em cerâmica artística das Caldas. Mas, tal como os britânicos, os camionistas precisam de comer. E, com maços de libras a abanar, o governo britânico vai acabar por conseguir aquilo que quer. Mas não fazia mal nenhum aos cidadãos do Reino Unido pensarem um bocadinho melhor, nesta coisa dos estrangeiros. E (já agora) os europeus, em geral, e os portugueses, em particular.
[Foto: Neil Hall / EPA]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esclarecidos

por Miguel Bastos, em 30.09.21

pr pm ar.jpg

Vamos lá ver: isto da chefia do Estado-Maior da Armada não tem nada que saber. Havia um "desentendimento" entre o governo e o atual chefe do Estado-Maior. Para ultrapassar esse "desentendimento", chegou-se a um "acordo" entre o governo e o presidente da República. Como, entretanto, deram-se uns "equívocos", o presidente chamou o governo a Belém e ficou tudo "esclarecido". Concordemos: mais claro do que isto, é difícil.

[Foto: Tiago Petinga/Lusa]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Reflexão

por Miguel Bastos, em 28.09.21

 

Leonardo Negrão Global Imagens.jpg

O discurso do CDS, na noite eleitoral, foi de vitória. Mas, entretanto, já há vozes a pedir reflexão interna. Um clássico. Como sempre, os pedidos de "reflexão interna" são feitos publicamente.

https://www.tsf.pt/portugal/politica/cds-deve-fazer-reflexao-interna-apos-as-autarquicas-fusao-com-o-psd-pode-ser-uma-via-14167987.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

PS ou PSD?

por Miguel Bastos, em 27.09.21

Rio.jpg

Começo pelo óbvio: as eleições autárquicas são eleições para escolher os representantes locais. Só que isso é uma chatice. São mais de 300 municípios e assembleias municipais e mais de 3 mil freguesias. Milhares de locais e candidatos que não conhecemos, nem vamos conhecer. De modo que o mais fácil é reduzir isto ao costume: "quem vai ganhar, PS ou PSD?" Neste caso, "Costa ou Rio"? E, depois, umas adjacências como "quem ganhou mais câmaras", "número de câmara do CDS e da CDU", um ou outro "independente" mais mediático. E está feito.
Nada disto diminui a vitória extraordinária/surpreendente de Carlos Moedas, em Lisboa. Nem tira mérito à escolha de Rui Rio. O que é irónico é que Rui Rio, que tem erguido a bandeira da descentralização, e tem pago um preço elevado por essa defesa, acabe por ser salvo por uma vitória na capital do país.
[Foto: EPA/TIAGO PETINGA]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Auf wiedersehen

por Miguel Bastos, em 23.09.21

merkel.jpg

Angela Merkel, símbolo da austeridade económica e financeira da União Europeia, está de saída.
Angela Merkel, símbolo do acolhimento aos refugiados contra a hesitação da União Europeia, também.
Ambas (apetece escrever "ambas as duas") vão abandonar a vida política.
Durante os seus mandatos, muitos analistas lamentaram a ausência dos grandes líderes europeus. Demoraram a perceber que, se calhar, tinham uma: ali, mesmo, debaixo do nariz.
 
[Foto: AFP]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adeus, Jorge Sampaio

por Miguel Bastos, em 10.09.21

sampaio.jpg

"Gosto e reivindico a capacidade de me comover". Jorge Sampaio rejeitava, assim, a imagem que lhe colocavam do político palavroso, intelectual, frio e distante. A culpa, dizia o próprio, era da cor do cabelo, que não disfarçava a ascendência britânica. Jorge Sampaio teria características dessa herança familiar: metódico, polido, educado, disciplinado, assertivo. Mas era também latino: afetuoso, sentimental, empático, solidário. Esta manhã, na Antena 1, uma antiga assessora referia que o (então) Presidente da República avisava sempre: não lhe pedissem para ser algo que ele não era; nem para dizer coisas que ele não sentia, nem concordava. O que, em política, não costuma dar bons resultados: nem eleitorais, nem de popularidade. Quando José Sócrates chegou à liderança do PS, Mário Soares chamou-lhe o "anti-Guterres". Jorge Sampaio terá sido o "anti-Soares". Não tinha as características que todos os políticos "têm" de ter: porque não queria ter, nem fingir que as tinha. Colocou-se, como era, à disposição do escrutínio e do sufrágio públicos. Prontificou-se a perder - se fosse necessário. Por vezes, perdeu. E, desse modo, a democracia ganhou sempre. Adeus.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Trabalhar, mas é!

por Miguel Bastos, em 08.09.21

acosta TIAGO PETINGA Lusa.jpg

Entusiasmado pelo calor da campanha, António Costa resolveu criticar o desempenho dos autarcas do PCP, dizendo: "Nós estamos aqui para trabalhar. Nós não estamos aqui para reivindicar que os outros trabalhem, por conta de nós". Eu, que tenho muito respeito pelos trabalhadores por conta de outrem, estranhei o tom. Fez-me lembrar o "deixem-me trabalhar", exigido por um antecessor de Costa. Ele há tiques...

[Foto: Tiago Petinga / Lusa]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Afeganistão

por Miguel Bastos, em 13.08.21

afeganistao.jpg

Sabemos muito pouco sobre o Afeganistão. Um país devastado, há várias décadas. Uma espécie de aldeia gaulesa, que resistiu aos poderosos exércitos da União Soviética e dos Estados Unidos. Os talibã são, também, uma espécie de lusitanos, mas mais disciplinados: ou governam, ou não se deixam governar. Não é, no entanto, preciso perceber muito de Afeganistão, para perceber o que aí vem. Os talibã reconquistam o território, a grande velocidade, com a tomada militar de mais de uma dezena de capitais de província. Esta madrugada, caiu a segunda maior cidade do país: Kandahar. A capital, Cabul, está ameaçada. O governo tenta, ainda, salvar a pele, com acordos para a partilha do poder. Os soldados americanos estão de saída, mas, o governo enviou três mil soldados, para retirar o pessoal diplomático de Cabul. Outros países seguem o exemplo. As Nações Unidas pedem, aos países vizinhos, para abrirem as fronteiras. Mais de 3 milhões de refugiados já abandonaram o Afeganistão. Está tudo pronto para a desgraça. Estejamos prontos para as lágrimas de crocodilo.

[Foto: Reuters]

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Outubro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D