Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quebra-Cotas

por Miguel Bastos, em 08.02.24

- Ó pai, o "Quebra-Nozes" é um bocado música clássica para crianças. Não é?
- É.
- Então, esta música é um bocado Tchaikovsky para jovens. Não é?
- Para jovens como tu ou como eu?
- Como eu, pai.
- Ai sim?
- Sim, tu já és um jovem um bocado cota.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sem músicos

por Miguel Bastos, em 13.06.23

pet shop boys.jpg 

"Espetáculos musicais, sem músicos, sabem-me a pouco", disse David Ferreira, esta manhã, na Antena 1. A afirmação veio a propósito das passagens de Rosalía e dos Pet Shop Boys pelo Primavera Sound. A Rosalía diz-me pouco, porque conheço pouco. Já os Pet Shop Boys dizem-me muito. São das minhas bandas preferidas. E, mesmo assim, não me chamaram ao festival. Nos festivais desfilam-se os sucessos do costume, os Pet Shop Boys praticamente não usam músicos em palco e (convenhamos) Neil Tennant é um cantor muito limitado. Portanto, sem música, sem músicos e sem cantor, ficamos com o quê?
Mais de 40 anos depois, continua a ser difícil apresentar música pop, de pendor eletrónico, em palco. Durante muito tempo, várias bandas optaram por fazer discos, sem os apresentar ao vivo. Depois, com a fiabilidade das tecnologias musicais e com o desenvolvimento das tecnologias visuais (e com o quase fim da venda de discos) fizeram-se à estrada. Vi as imagens do palco dos Pet Shop Boys e (sinceramente) gostei muito do que vi. Esteticamente, os Pet Shop Boys (as capas dos discos, os videoclips, as roupas, os palcos) sempre foram irrepreensíveis. Mas, temo que o apuro estético resulte num ciclo vicioso. As imagens servem para ilustrar a falta de música e vice-versa. Os músicos, os cabos, os "roadies" estragam o cenário. Temos visto isso, todos os anos, no Festival da Canção e da Eurovisão.
Já viram os Pet Shop Boys, ao vivo, com um coro, percussionistas, naipe de metais, orquestra de cordas e com o Johnny Marr, na guitarra? Eu já. Não me soube a pouco, soube-me a tanto. Infelizmente foi, apenas, na minha cabeça. 

David Ferreira a contar, aqui:

https://www.rtp.pt/play/p955/e698104/david-ferreira-a-contar

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tina era o que cantava

por Miguel Bastos, em 25.05.23

tina.jpg 

"Achei que essa letra, dramática, fazia mais sentido cantada pela Tina Turner. Mas, nessa altura, ela estava a despedir-se do público, depois de 50 anos de carreira. Acabámos por ser nós a gravar", disse, Neil Tennant, dos Pet Shop Boys. A dupla já tinha escrito para Tina Turner. E, antes, já tinha escrito para outras divas, como Dusty Springfield e Liza Minelli.

Tina teve uma segunda vida quando regressou, no início dos anos 80, com a ajuda de um conjunto de compositores mais novos. A canção-título do álbum "Private Dancer", por exemplo, foi escrita por Mark Knopfler (dos Dire Straits). Apesar de não ter sido escrita para ela, fez todo o sentido: na sua voz, na sua entrega, na sua garra, na sua história, na sua vida. Era ela. Tina era o que cantava. Tudo o que cantava passava a ser dela. Até o que não cantou.

Volto ao início. A canção que Neil Tennant falou chama-se "The way it use to be". A dada altura, diz assim: "Don't give me all your northern pain / Don't sell me New York in the rain / Let's leave our promises behind / Rewind and try again". Tina nunca a cantou, mas é, sempre, a voz dela que eu ouço na minha cabeça.

A canção dos Pet Shop Boys, de que falo, é esta:

https://www.youtube.com/watch?v=cibw8Hsab28

A canção que escreveram para a Tina Turner é esta:

https://www.youtube.com/watch?v=QH7JGC27aDg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Morricone pop

por Miguel Bastos, em 06.07.20

ennio.jpg

Um facto, talvez, menos conhecido de Morricone. Apesar da ligação intensa ao mundo do cinema, a música de Ennio Morricone não se limitou a ele. Por exemplo, em 1987, Morricone trabalhou com um grupo de música pop: os Pet Shop Boys. A canção foi incluída no segundo disco da dupla e teve o arranjo de Angelo Badalamenti (o criador das paisagens sonoras de David Lynch). E, depois, esta canção deu nome ao filme "It couldn't happen here". É como se não fosse possível afastar Morricone do cinema.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Junho 2024

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D