Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O candidato Cândido

por Miguel Bastos, em 20.01.16

candidato candido2.jpeg

“Sorria, está na câmara do Cândido”. A frase do programa de apanhados, tem barbas. O candidato Cândido também. Mas não sorri. O candidato Cândido leva-se a sério. Deve ser o único.

 

O candidato Cândido já tinha ido a um debate na TVI24, apenas para dizer que não ia participar no debate. Ontem, na RTP, quando era questionado pelos jornalistas, não dava respostas. Disse que a sua campanha era descriminada pelos media, que não tinha espaço para debater as suas ideias, etc. E ele tem ideias. Por exemplo: tem ideia que Marcelo não foi à tropa; tem ideia que Paulo Morais não entregou as declarações ficais a tempo; tem ideia que Sampaio da Nóvoa não é licenciado em teatro. Para além de ideias, o candidato Cândido tem uma certeza: é o único que trata Costa por “tu”.

 

Exímio nas artes da oratória, Tino de Rans recusou a "intrigalhada" no debate e aproveitou para tratar a candidata Matias por “tu”. Marisa sorriu (e não foi para a câmara do Cândido). Ao pé do candidato Cândido, Tino é um político instintivo, perspicaz e sensato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A mulher de César

por Miguel Bastos, em 18.01.16

presidenciais belem.jpg

Candidatos “independentes”, filiados num partido. Candidatos “independentes”, sem partido, mas com várias décadas de partido. Candidatos “do partido”, sem o apoio do partido.  Candidatos “sem partido”, com o apoio do partido. Estas presidenciais têm de tudo. Até candidatos “independentes”, com partido, sem o apoio do partido, mas com “recomendação” de mais do que um partido.

 

A velha discussão sobre a mulher de César (que “não basta ser séria, tem que parecer”) na política, não se aplica às eleições presidenciais. Porque há muitas variáveis a introduzir. Por exemplo: “quem é a mulher de César?”; “ela é (mesmo) casada com o César?”; “ele reconhece o casamento?”; “e ela?”, etc. Todas estas questões confundem o eleitorado, os partidos, os apoiantes, os comentadores e os próprios candidatos.

 

Poderíamos complicar (ainda mais) e perguntar “quem é César?”. Eu só conheço um. É de um partido e apoia um “candidato independente, sem partido”. Outros, do mesmo partido, não gostaram e apoiam outro candidato, que também é “independente”, mas do partido.

 

Esta é a campanha mais "independente" de sempre. E a mais aborrecida. No domingo, teremos um "independente" em Belém.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Albergue espanhol?

por Miguel Bastos, em 05.01.16

debate presidenciais antena 1.jpg

Estamos na campanha para as presidenciais. Tenho tentado seguir os debates na televisão. É difícil. São mais de 20. Ontem, até ouvi o debate, na rádio, com 10 candidatos. Isso mesmo, dez. Enchiam o estúdio da Antena 1. Falou-se do cargo de presidente, de governação, de demitir governos, do Banif. Tino de Rans adaptou António Variações para dizer que “quando os bancos não têm juízo, o povo é que paga”. Foi um debate e pêras!

 

À noite, Miguel Sousa Tavares considerava que há candidatos que procuram, apenas, publicidade. São as presidenciais ao serviço dos 15 minutos de fama, de Andy Warhol. Freitas do Amaral reforçou o óbvio: ninguém deve começar uma carreira política pela Presidência da República. Maria de Belém já tinha dito o mesmo. Mas Maria é candidata a Belém. Freitas já foi e não volta a ser.

 

A democracia é de todos e para todos. Mas, ao ver tantos e tão estranhos candidatos, pergunto-me se deve ser um albergue espanhol. Com todo o respeito pelo setor hoteleiro e pelos espanhóis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os independentes

por Miguel Bastos, em 09.04.15

paulo morais.jpgcoelhone.jpg

Paulo Morais vai ser candidato às presidenciais. Morais foi vice de Rui Rio, na Câmara do Porto, e tornou-se conhecido, enquanto vice-presidente da associação Transparência e Integridade.

 

Ao Correio da Manhã, o, agora, candidato diz que o combate à corrupção será a sua prioridade. Resta saber, como é que esse combate se pode fazer a partir de Belém…

 

Paulo Morais tem um discurso muito crítico sobre a classe política, que se aproxima de Henrique Neto, mas, também, de Marinho Pinto, que também pode vir a ser candidato às presidenciais. O que é que os vai distinguir?

 

Nas duas últimas eleições presidenciais, tivemos dois candidatos “independentes”. Na primeira, Manuel Alegre; na segunda, Fernando Nobre. Depois, Alegre foi o candidato presidencial do…. PS e Nobre foi candidato à Presidência da Assembleia da República (!), pelo PSD. Com os resultados que se conhecem.

 

Ser independente, não é bom, por si só. Nem é diferenciador: os próximos candidatos poderão ser Carvalho da Silva e Sampaio da Nóvoa.

 

Como diria Jorge Coelhone: “Os independentes são muito imprevisíveis..."

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Novembro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D