Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Obrigado, Carlos do Carmo

por Miguel Bastos, em 01.01.21

carlos carmo.jpg

Tinha havido uma alteração de agenda e Carlos do Carmo não poderia falar comigo. Expliquei que a entrevista já tinha sido anunciada e que tínhamos de ter um plano b. Acabámos por marcar uma entrevista telefónica, com a promessa, da minha parte, de que não poderia ser muito longa. O Carlos, explicaram-me, não gostava de falar muito tempo ao telefone. Respondi que precisava apenas de 10 minutos ao telefone. Gravámos 12 e dei a entrevista por concluída. "Foi uma conversa muito agradável, sabe?", disse-me o charmoso do outro lado da linha, "Porque se sente que gosta de ouvir. Que idade tem?". "Menos de quarenta", respondi. "Interessante. Estava a tentar perceber a sua idade e não estava a conseguir". "E posso saber, porquê?", perguntei. "Porque, geralmente, as pessoas mais novas não têm paciência para ouvir e as mais velhas já não tem curiosidade para perguntar. Você parece que tem as duas coisas". E, depois, ficámos a conversar mais de meia hora. Carlos do Carmo, o cantor que não gostava de falar ao telefone, acabou a perguntar-me "Estou-lhe a roubar muito tempo, não estou?". Eu disse-lhe que não e ele atalhou "De certeza que tem mais que fazer. Deixe-me pedir-lhe que nunca perca a curiosidade e o gosto por conversar". Desligámos o telefone. A entrevista durou os 10 minutos programados. O melhor ficou para mim. Obrigado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cruzeiro Seixas

por Miguel Bastos, em 09.11.20

cruzeiro seixas.jpg

Mau aluno, calão, repetente, o Toni era dado a extremos: ora subia a estados de euforia, ora caía em profunda tristeza e depressão, a que se seguiam, muitas vezes, comportamentos agressivos. Toda a gente mantinha com ele uma relação de cordial distanciamento. Normalmente, o Toni sossegava a desenhar. E que bem que ele desenhava! Mas, normalmente, eram coisa estranhas, sinistras e assustadoras: velhos doentes, com olheiras; seres imaginários; gente sem cabeça ou sem membros; formas geométricas que se entrelaçavam com motivos naturalistas; tudo, aparentemente, sem sentido. Muitas vezes, no caminho da escola para o bairro social onde morava, o Toni entrava numa galeria de arte. Por vezes, arrastava-me com ele. E foi, assim, que eu conheci Cruzeiro Seixas, que tinha desenhos tão estranhos como os do Toni. Cruzeiro Seixas morreu, aos 99 anos. O Toni deve andar por aí. Obrigado a ambos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Carta a Mafalda

por Miguel Bastos, em 30.09.20

mafalda.jpg

Olá Mafalda,
Sabes, tenho que te pedir desculpa. Ando, há meses, a prometer que te arranjo a lombada. Ela está descolada e eu, agora, estou desconsolado. Ah, e tens manchas de humidade que atravessam as mais de 400 páginas de "Toda a Mafalda". Parecem aquelas manchas que as pessoas de idade começam a ter. Sabes? Como é que é possível alguém como tu envelhecer? Só posso ser eu o culpado. Nestes dias, de grandes tensões internacionais, tenho pensado muito em ti. Como é que ficou aquela ideia de seres tradutora nas Nações Unidas? Desististe? É que davas um jeitão. Bem, não te maço mais. Deves estar mais triste do que eu. Vai lá mudar o mundo, mas só se te apetecer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Luís Filipe Costa

por Miguel Bastos, em 21.07.20

luis filipe costa.jfif

O telefone tocou. Do outro lado, a pergunta: "Sabes quem é que é o Luís Filipe Costa?" "Que Luís Filipe Costa?", perguntei, "O jornalista, o homem do comunicados do MFA?". "Esse mesmo", respondeu o meu chefe de então, "Preciso que me faças um perfil alargado, sobre ele, para um programa de homenagem que vamos fazer este fim de semana". "Mas, porque eu?", continuei a perguntar. "Porque, até agora, foste o único que soube logo de quem é que estamos a falar". Foi por essa altura, que fiquei a saber que o jornalista não foi "só" a voz da revolução na rádio, ele já tinha revolucionado a própria rádio. Luís Filipe Costa morreu, hoje, tinha 84 anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Morricone pop

por Miguel Bastos, em 06.07.20

ennio.jpg

Um facto, talvez, menos conhecido de Morricone. Apesar da ligação intensa ao mundo do cinema, a música de Ennio Morricone não se limitou a ele. Por exemplo, em 1987, Morricone trabalhou com um grupo de música pop: os Pet Shop Boys. A canção foi incluída no segundo disco da dupla e teve o arranjo de Angelo Badalamenti (o criador das paisagens sonoras de David Lynch). E, depois, esta canção deu nome ao filme "It couldn't happen here". É como se não fosse possível afastar Morricone do cinema.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Era uma vez Morricone

por Miguel Bastos, em 06.07.20

Era uma vez Morricone, num texto com 4 anos.

morricone.jpeg

Não me morras Morricone!

por Miguel Bastos, em 31.01.16
 

Vi o seu nome e a sua fotografia no Sapo: “Ennio Morricone…”. Pensei de imediato: “Não me digam que ele…” e continuei a ler apressadamente “Ennio Morricone vai receber o seu Globo de Ouro em Roma”. “Ufa!”, suspirei de alívio. Morricone é velhinho: tem de 87 anos. Há gente que dura mais. Mas, muita gente dura menos.

Ennio Morricone compôs algumas das minhas bandas sonoras favoritas. A sua música  foi parceira e protagonista dos filmes de Sergio Leone. Mas também de filmes como A missãoCinema Paradiso ou Malèna. Algumas destas composições receberam a voz da nossa Dulce Pontes, num disco a meias que, mesmo sendo desigual, devia ter recebido outra atenção e estima em Portugal. Em 2009, Morricone trabalhou com Quentin Tarantino. O compositor achou que o realizador não respeitou a sua música e jurou para nunca mais. Felizmente, os dois voltaram a entender-se e o trabalho conjunto no filme "Os Oito Odiados”, que estreia esta semana em Portugal, foi premiado.

Diz-se que os génios nunca morrem. Mas, mesmo assim, gosto mais deles vivos. Por isso, não me morras Morricone!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cohen morreu de velho

por Miguel Bastos, em 13.11.16

cohen.jpg

O rock trouxe a cultura da eterna juventude. Mas, Leonard Cohen nunca foi jovem. E nunca foi rock. O seu pai fora alfaiate e ele vinha dos livros: era incapaz de se vestir mal. Conheci Cohen, em 1985, com “Dance me to the end of love”. Não gostei: um cantor velho, com uma voz estragada, e uma música que (não sei porquê) me lembrava Demis Roussos. A minha opinião começou a mudar com o disco seguinte ("I’m your man") e com a descoberta do seu primeiro disco. Foi, então, que percebi que uma série de músicas, que eu gostava, eram, afinal, de Cohen: "Suzanne"; "So Long, Marianne"; "Hey, That's No Way to Say Goodbye". E comecei, também, a perceber melhor os elogios e declarações de amor dos músicos que eu admirava, na altura. Muitos deles entrariam no disco “I’m your fan”.

 

Leonard Cohen fazia-me lembrar Woody Allen. Não foi hippie, não foi jovem, não usava calças de ganga, nem cabelos compridos. Esteve sempre fora do rock e fora do tempo. Nasceu velho e morreu morreu. É isso, Cohen morreu de velho. E, mesmo assim, a sua morte dói-nos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Paquete de Oliveira

por Miguel Bastos, em 12.06.16

paquete oliveira.jpg

Paquete de Oliveira chegou até mim como estrela pop. Ouvi-o, em disco, entre guitarras distorcidas, experimentações sónicas, défice de técnica musical disfarçado de avant garde. No final do anos 80, as bandas de rock começaram a ser substituídas por projetos. Os Pop Dell’Arte e a Ama Romanta eram dois projetos de João Peste. Artista visionário, cantor, performer, intelectual, sociólogo. Paquete fora professor de Peste. Era sociólogo e entrava num disco. Eu não sabia se era jovem ou velho; intelectual distante ou mundano ou, mesmo, se tinha projetos.

 

Mais tarde, conheci Paquete. Era meu professor. Nessa altura, eu já sabia que era um sociólogo especialisado em media, comunicação e jornalismo. Agia como professor, falava com professor. Cuidava de nós. Falou do bar e da cantinas. De salas e bibliotecas. De fotocópias e estacionamento. Nessa altura, já era uma pessoa conhecida do grande público. Escrevia em jornais, aparecia em programas de televisão. Era um ancião sábio e sereno e, no entanto, cheio de inquietude. Mas, sobretudo, era o mais moderno de todos nós. A maioria dos alunos, continuava com projetos e contactos e ideias. Os anos 80 tinham acabado e nós não sabíamos. Paquete sabia, claro. Era, mesmo, sociólogo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Requiem de Bowie

por Miguel Bastos, em 12.01.16

david bowie lazarus.jpg

Quando ouvi “Lazarus” e “Blackstar”, as novas canções de David Bowie, fiquei assombrado. São duas canções densas e soturnas. Os vídeos agravam, ainda mais, o negrume. Blackstar, o álbum, é um Requiem, percebemo-lo agora. Apesar de ter piscado o olho ao “mainstream”, nos anos 80, Bowie nunca nos facilitou a vida. Muito menos agora, depois da sua morte. O seu último disco é doloroso de se ouvir.

 

A morte de Bowie lembrou-me Amadeus, a peça de Peter Shaffer levada ao cinema por Miloš Forman. Na peça/filme, Mozart, moribundo, escreve uma missa fúnebre, que deixa inacabada. A encomenda de um Requiem, a Mozart, foi um prenúncio da sua própria morte, envolta em mistério. Só que, ao contrário de Mozart, Bowie sabia que ia morrer. E preparou a sua morte. E escreveu, conscientemente, a música da sua morte.

 

O Requiem, de Mozart, é uma música avassaladora. Mas, Mozart é um personagem histórico. Morreu muito antes de termos nascido. Bowie não. E isso, deixa-me com arrepios na espinha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bye Bye Bowie

por Miguel Bastos, em 11.01.16

bye bye bowie.jpg

“Beatles ou Stones?”, perguntava alguém. “David Bowie”, respondia Sónia Tavares, dos The Gift, a sorrir. “Boa”, pensei eu. Hoje, ouvi “David Bowie” e não sorri. Ouvi “David Bowie”, pensando que iam falar do novo disco, lançado na sexta-feira, mas acrescentaram “morreu. A notícia foi confirmada, esta manhã, pelo seu filho…”. Ora bolas!

 

David Bowie representa aquilo que eu mais gosto na cultura pop: alta e baixa cultura, tradição e “avant-garde”, fascínio e inquietude. A sua música, pop-rock, mistura literatura, teatro, performance, cinema, artes plásticas. Bowie na televisão; Bowie na arena rock; Bowie na Broadway; Bowie em Hollywood; Bowie na galeria de arte; Bowie na pista de dança. Mudou, muitas vezes, de estilo musical, de estilo visual, criou personagens e chamaram-lhe camaleão, o que se tornou clichê.

 

Em 1990, Bowie passou por Portugal, numa digressão de despedida. O concerto foi no Estádio de Alvalade e eu estava em êxtase. Bowie poupou no cenário e gastou em repertório: de Space Oddity a Blue Jean. Depois, disse adeus. Mentiu, felizmente. Só voltou a retirar-se em 2004, por causa de um ataque cardíaco. Editou um disco em 2013 e outro na sexta passada, dia em que fez 69 anos. Agora morreu e não volta a mentir. Infelizmente. Bye Bye Bowie

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Janeiro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D