Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vamos "lá fora"

por Miguel Bastos, em 22.12.17

Puigdemont quer resolver a questão da Catalunha: "lá fora", com Rajoy. Vamos resolver isto "lá fora" é uma coisa que soa a macho latino à pancada, junto à taberna. Mas, vindo destes dois, será uma coisa diferente. Antes do "lá fora", Puigdemont vai esperar - até ter a certeza que ninguém o vai magoar. E Rajoy vai estudar a constituição - para ter a certeza que os hematomas estarão de acordo com as regras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Catalunha dividida a meio

por Miguel Bastos, em 21.12.17

catalunha.jpg

Valência, Fevereiro de 2017. Dois estrangeiros conversam sobre a independência da Catalunha. Um é português. A outra é francesa. A conversa começa a ficar acesa. Porquê tanta paixão? Bem, o português em questão sou eu: o que olha de fora. Mas, a francesa olha por dentro. Vive em Barcelona, há 20 anos. Mais, é neta de um velho republicano catalão, que fugiu ao regime de Franco. Para ela Barcelona é a cidade, historicamente, oprimida por Madrid - a capital do regime fascista. Ela é a favor da independência. 
 
Mas, Franco já morreu. E Espanha é uma democracia europeia, há mais de 40 anos.   
 
Faço perguntas sobre a língua: vão deixar de usar o espanhol, uma das línguas mais faladas do mundo? Vão perder a ligação privilegiada com a América latina? Ou mantêm a comunicação com os países estrangeiros, com o recurso à língua do "colonizador"?
 
E o que vão fazer ao espanhóis que vivem na Catalunha? E aos catalães que vivem noutras regiões de Espanha? E aos catalães que são da Catalunha e são contra a independência? Vão ter que optar por uma nacionalidade? Vão ser deportados? Vão ser emigrantes?   
 
E como é que vai ficar a relação com a União Europeia? ( O resto de) Espanha vai votar contra a adesão da Catalunha e muitos países também. E seguiram-se muitas outras perguntas: da moeda, à defesa, ao campeonato de futebol. 
 
A minha amiga começou a ficar aborrecida. Ela acha que eu não percebo nada. Tem razão. Não percebo nada. Daí as questões. Questões que continuam a não ser debatidas. É pena. Hoje vota-se, para separar a Catalunha, de Espanha. Mas é a Catalunha que está dividida a meio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Obrigado, BPN!

por Miguel Bastos, em 03.10.16

miro1 bpn luis afonso.pngmiro2 bpn luis afonso.png

“Nunca tinha visto tantos jornalistas interessados em arte contemporânea”, brincou António Costa. Nessa altura, o primeiro ministro inaugurava um museu, de Siza Vieira, sob um manto ruidoso de vaias, assobios, palavras de ordem, bombos e apitos. Foi a primeira grande manifestação do movimento dos colégios privados. Protestava-se contra a decisão do governo de rever os contratos de associação.

 

Na sexta feira, António Costa voltou a inaugurar uma exposição, num espaço de arte contemporânea, com o dedo de Siza. Mas o cenário era muito diferente. Costa estava com Marcelo, Mariano Rajoy, o presidente da Câmara do Porto e o ministro da Cultura. Foi uma festa, cuidadosamente planeada, com Rui Moreira a anunciar que as obras de Miró ficavam no Porto. O ambiente era de regozijo. O fim de semana trouxe uma enchente a Serralves, com filas de espera para ver a famosa colecção que o governo decidiu que ficava em Portugal. Já agora, a colecção era de um banco que faliu e deu cabo das contas do Estado. O cartoonista Luís Afonso já brincou com o assunto, no Público: ainda vamos ficar gratos ao BPN. Parece que já estamos...

Autoria e outros dados (tags, etc)

1, 2, 3… diga lá outra vez

por Miguel Bastos, em 04.08.16

1 2 3 rajoy.jpg

Está toda a agente a preparar-se para as terceiras eleições, consecutivas, em Espanha. Foi neste país que se inventou o concurso “1, 2, 3” que colava Portugal à televisão. Todos queriam saber se saía a casa, o carro ou uma coisa nenhuma, ao casal que tentava descobrir os enigmas lidos por Carlos Cruz.

 

Recorde-se o “1, 2, 3”. O concurso tinha três partes. Na primeira, uma prova de cultura geral. Na segunda, uma prova de habilidade. Na terceira, havia uns objetos e uns enigmas que os concorrentes iam eliminando, até chegarem à última escolha. A terceira parte sempre me pareceu uma cachada. Basicamente, Carlos Cruz arrastava o programa, ajudando ou baralhando os concorrentes, que, depois de muito pensar, escolhiam à sorte. Às vezes tinham sorte, outras vezes tinham azar. Depois de dois processos eleitorais, os espanhóis vão votar outra vez? Ou vão deixar de votar, e passam a escolher à sorte?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Espanha: na mesma?

por Miguel Bastos, em 28.06.16

rajoy ganha.jpg

As eleições espanholas voltaram a dar vitória ao PP, sem maioria. Portanto: na mesma, como a lesma? Pode ser que não. A verdade é que o PP cresceu, em votos e em mandatos; o PSOE perdeu votos e mandados, mas está à frente do Podemos; o Podemos caiu, nas expetativas e na real; o Ciudadanos também. Os jornais de ontem faziam contas e cenários: PP + PSOE; PP + PSOE + Ciudadanos; PSOE + Podemos + Ciudadanos e, a mais provável, PP+Ciudadanos, com apoio parlamentar do PSOE.

 

Num certo sentido, Espanha não mudou muito, relativamente às eleições de há seis meses. Não há uma vitória clara de um partido, nem a capacidade de um dos partidos clássicos, governar com um dos novos partidos. Uma solução do tipo PP + Ciudadanos ou PSOE + Podemos. Mas há duas diferenças significativas. Primeiro, só há soluções governativas com o  envolvimento dos dois principais partidos, o que parece um regresso ao bipartidarismo. Segundo, mesmo sem maioria, a legitimidade para o PP governar, aumentou. Houve um número significativo de eleitores que deram o seu voto ao partido de Mariano Rajoy e castigaram os outros partidos, que foram penalizados por não se entender. A isto chama-se democracia. São os eleitores que têm o poder e o passam aos políticos. Resta saber se eles sabem o que fazer com ele…

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D