Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Lãzinha

por Miguel Bastos, em 19.02.20

jordao.jpg

"Eu aplaudo os golos dos jogadores negros" é a nova versão do "eu até tenho amigos negros". Claro que todos os benfiquistas aplaudiram os golos do Coluna, todos os sportinguistas aplaudiram os golos do Jordão, todos os portistas aplaudem os golos do Marega. Não é aí que está a questão. A questão está em saber como é que a generalidade de portugueses lidam com os golos marcados pelos adversários negros. Ou como é que os portugueses lidam com os golos falhados pelos jogadores negros da sua equipa.
 
Eu também tive um amigo negro. Andava na minha escola, foi da minha sala e, ainda por cima, marcava imensos golos. Chamava-se Rui. Todos queriam ser da equipa dele. A rapidez, o passe, o drible e a ginga do Rui eram metade do sucesso da equipa onde ele jogasse. O Rui vinha da Guiné: era magricela, tinha a pele escura, o sorriso branco e um cabelo que parecia um novelo de lã. Chamávamos-lhe o "lãzinha". Mas, às vezes, chamavam-lhe "preto da guiné": bastava que o Rui marcasse um golo ao adversário ou que falhasse um golo a favor da sua equipa. Calculo que ficasse triste. Perguntei-lhe algumas vezes se ficava triste. Ele encolhia os ombros e dizia que não. Chutava para canto. Podia falhar um remate, mas o Rui era incapaz de marcar golos na própria baliza.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O bom gigante

por Miguel Bastos, em 18.02.20

marega.jpg

Um dia, não aguentou mais. O jogador, com cerca de 2 metros de altura, pegou num banco sueco, com cerca de 3 metros, e fê-lo rodar, varrendo a bancada de onde vinham os insultos. Aquele gigante negro provocou, em mim, uma explosão de emoções: surpresa, espanto, medo, riso, alívio, redenção. Eu estava na barricada certa, mas na bancada errada. Aquele bom gigante estava a ser vítima de um tratamento indigno, que me deixou envergonhado, enojado, revoltado. Aquele banco a rodar sobre os infames pareceu-me a reposição da justiça, digna de um filme. Habitualmente doce e amável, o gigante negro, agora acossado e ferido, transformava-se em super-herói, à nossa frente, para gáudio de todos nós.

Foi há quase 40 anos, num jogo de basquetebol, da segunda divisão. Esta coisa não é nova, não é portuguesa, nem é do futebol. Isto é coisa da guerra. A guerra atrai milhares de pessoas aos recintos desportivos. E, na guerra, vale tudo: não se limpam armas, não se olha a meios, não se olha a gente. 
 
[Foto Hugo Delgado]  

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2020

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D