Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Raves

por Miguel Bastos, em 20.03.23

branko.jpg

- Afinal, o que é isso das "raves"? - perguntou-me o Joaquim.

- São festas com música de dança, noite fora.

- Música de dança, como? Danças de salão? Disco? Samba?

- Basicamente, música eletrónica: house, techno.

- Então, é uma noite de discoteca normal.

- Acaba por ser. Mas, muitas vezes, as "raves" são feitas em sítios diferentes. 

- Tipo…

- Zonas industriais, monumentos, praias...

- Ah. E depois, ficam na praia?

- Não, depois as pessoas estão estoiradas e vão para casa dormir.

- Que pena. Quando eu vivia em Angola, também fazíamos festas para dançar a noite toda.

- A sério?

- É. Eu e os meus amigos pretos das cubatas. Depois, íamos comprar pão e ficávamos na praia, a dormir.

O Joaquim viveu em Angola, até 1975. África está-lhe entranhada na pele. De tal forma que, apesar de ser branco, muita gente chama-lhe "preto": o "Quim Preto". Lembrei-me dele, porque fui a uma festa, num teatro, que parecia uma "rave". Parecia, mas não foi. Porque acabou, ao fim de hora e meia. Enfim, coisas de Branko.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Paris, sempre

por Miguel Bastos, em 14.03.23

paris.jfif 

Gosto muito destes dois vizinhos: tão diferentes, tão iguais. Comecemos pelas capas. Parecem daqueles discos baratinhos, que se vendiam nas margens do Sena, a turistas apressados, na cidade dos clichés: "a cidade luz", "a capital do amor". "Ah, Paris!"; "Ah, o Arco do Triunfo!"; "Oh, a Torre Eiffel!". Na realidade, o disco original de Michel Legrand chama-se "I Love Paris" e não tem esta capa. Começa com o tema-título, o clássico de Cole Porter, e equilibra-se, ao longo do disco, entre visões "de fora" e "de dentro" sobre Paris. Os compositores vão de Jerome Kern a Offenbach. As orquestrações, de Legrand, respiram "jazz" e "chanson", em doses generosas.
 
Se a Paris, de Legrand, é moderna e cosmopolita, a Paris, de Dimitri from Paris, é pós-moderna. Não rejeita um só cliché. Pelo contrário, assume-os todos: absorve-os, acentua-os e devolve-nos os clichés, de forma diletante e divertida. Inventa um personagem: o sargento Bill T. Hawthorne que terá desembarcado na Normandia, para libertar Paris, onde uma tal Monique lhe prendeu o coração, em Montmartre. Mostra o "Monsieur Dimitri", na sua "pied à terre", na Riviera francesa. A música, entrecortada por vários interlúdios, mistura rimos latinos, "house" e "funk", com música de bar de hotel e filmes de espiões. Uma delícia. No final, ouve-se alguém a dizer: "Ah, Paris sera toujours Paris". Será. Paris será o que cada criador quiser. Será o que cada um de nós quiser.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sunset

por Miguel Bastos, em 13.09.21

final de tarde.jpg

Adoro a praia, ao final da tarde. O último banho. Os calções que já não vão secar no corpo. O sol a desvanecer-se em laranjas e azuis. A praia a encher-se de deserto, de gaivotas e silêncio. O som do mar. Um cenário quase perfeito. Quase, porque, entretanto, um grupo de jovens resolve ocupar o silêncio. Trazem um telemóvel "4G" e uma coluna "bluetooth". Enchem o areal com batidas "techno". Ah, os jovens - sempre em festa! Distingo, entre os modernos, uma criança. Depois, reparo que dois jovens são muito jovens. E, finalmente, que os outros dois jovens são pouco jovens. Ela, de cabelo apanhado e vestido leve. Ele, de entradas protuberantes e calções de surfista. Os dois a dançar. Jovens, na casa dos 50, de copo na mão e filhos a tiracolo. Todos, animados, para um "sunset", que começo a achar graça. Os mais velhos estão cada vez mais novos. É o que me parece, assim, à vista armada. Armada, sim, que à vista desarmada não vejo nadinha. É da idade. Não perdoa. Tum, tum, tum, tum...

Autoria e outros dados (tags, etc)

E então, dançamos?

por Miguel Bastos, em 25.02.21

Pum, pum, pum, pum. Olha o gajo a dançar! Tse, tse, tse, tse. Parece que está numa discoteca! Pum, tse / pum, tse / pum, tse / pum, tse. "É o bate estaca / É o jungle / É o tecno / É o etno", como na canção de Adriana Calcanhoto. Esta noite, sonhei que dançava. Vou ilustrar o meu sonho com a música de um poeta belga lingrinhas - como Jacques Brel - com origem ruandesa e ares de Barack Obama, a incitar uma plateia americana a dançar e a regressar aos anos 90. "E então, dançamos?", pergunta ele. Oui, bien sûr! Pum, pum, pum, pum.
 
(Músicas Citadas - para melómanos de mau gosto, como eu. 1. Nightcrawlers - Push The Feeling On 2. Crystal Waters - Gypsy Woman 3. Snap - Rhythm Is A Dancer 4. Faithless - Insomnia)   

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2024

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D