Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Intensivos

por Miguel Bastos, em 04.02.21

intensivos.jpg

A jornalista Rita Colaço avisou-nos que a reportagem tinha sons que podiam impressionar (e impressionam, de facto). Mas, o meu maior receio não eram os sons. Era a respiração. A minha. Tinha medo de não conseguir respirar, porque sei bem o que isso é. E a minha respiração alterou-se, de imediato, com uma das primeiras palavras que ouvi na reportagem: "propofol". Cheguei, em desespero, a pedir propofol numa unidade de cuidados intensivos. Conheço o som dos ventiladores, invasivos e não invasivos, e das várias máquinas. Reconheço as vozes dos profissionais de saúde: o cansaço, a esperança, o profissionalismo, a humanidade. Está tudo nesta reportagem. Ao longo da reportagem, a minha respiração foi, no entanto, regressando ao normal. A Rita tem a capacidade de nos mostrar a realidade, com sobriedade, sem a exacerbar. Mas a abordagem é intensa. É intensiva.

Para ouvir, pode clicar na imagem ou aqui:

https://www.rtp.pt/noticias/pais/grande-reportagem-antena1-intensivos_a1294513

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O vírus de Sepúlveda

por Miguel Bastos, em 03.03.20

sepulveda.jpg

Há cerca de 6 anos, um bicho manhoso atirou-me para a cama de um hospital. Queria-me matar, o animal! Felizmente, não conseguiu. Mas, entre muitas coisas, o bicho manhoso tirou-me a capacidade, física e mental, de ler. Eu queria ler, precisava de ler, mas não conseguia. Estava demasiado debilitado para romances, ensaios ou biografias. Tentei ler pequenos contos, livros infantis, mas nem esses conseguia. As letras dos jornais tremiam, os livros de banda desenhada trocavam-me os olhos. Passei a folhear novelas gráficas, livros de design, de arquitetura. Mas, faltavam-me as palavras. As primeiras chegaram-me, a custo, num livro de Sepúlveda: a "História de um gato e de um rato que se tornaram amigos" trouxe-me as primeiras palavras escritas, em semanas. O livro, maravilhosamente ilustrado, permitiu-me sair da cama do hospital, para os telhados de Munique, onde a história se desenrola. Hoje, é Luís Sepúlveda quem está doente. Espero que volte depressa para as palavras, que as palavras o levem para onde ele quiser. E, se for possível, que nos leve com ele.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2021

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D