Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Afeganistão para crianças

por Miguel Bastos, em 31.08.21

cabul atentado.jpg

Filho - Pai, podes-me explicar o que é que está a acontecer no Afeganistão?

Pai - Bem, os americanos e os europeus estão a abandonar o país, que volta a ser governado pelos talibãs...
Filho- Que são os maus, certo?
Pai- Não é bem assim. Isto não é um filme do "Star Wars", com bons de um lado e maus do outro.
Filho- Não?
Pai- Não, é um bocadinho mais complexo.
Filho - Mas, os americanos não fizeram guerra aos talibãs?
Pai-Sim. Mas, agora, desistiram e os talibãs voltaram ao poder e...
Filho- E fizeram o atentado ao aeroporto.
Pai -Não, eles estavam a guardar o aeroporto, juntamente com os americanos.
Filho - Portanto, agora são bons...
Pai - Mais ou menos...
Filho - Então foram os outros terroristas, os do 11 de Setembro.
Pai-Também não. Parece que foram os do Estado Islâmico.
Filho - Ó pai, os americanos não foram para o Afeganistão para acabar com os terroristas?
Pai- Exato.
Filho- Os talibãs...
Pai - Não, os daAl-Qaeda.
Filho - Estes, os do aeroporto.
Pai - Não, este é outro grupo. É o Estado Islâmico, que apareceu depois da segunda invasão do Iraque.
Filho -Desculpa, pai, mas isto parece mesmo um filme do "Star Wars".
Pai - Tens razão, filho. Pensando bem, parece.
[Foto: Victor J. Blue - The New York Times]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Afeganistão

por Miguel Bastos, em 13.08.21

afeganistao.jpg

Sabemos muito pouco sobre o Afeganistão. Um país devastado, há várias décadas. Uma espécie de aldeia gaulesa, que resistiu aos poderosos exércitos da União Soviética e dos Estados Unidos. Os talibã são, também, uma espécie de lusitanos, mas mais disciplinados: ou governam, ou não se deixam governar. Não é, no entanto, preciso perceber muito de Afeganistão, para perceber o que aí vem. Os talibã reconquistam o território, a grande velocidade, com a tomada militar de mais de uma dezena de capitais de província. Esta madrugada, caiu a segunda maior cidade do país: Kandahar. A capital, Cabul, está ameaçada. O governo tenta, ainda, salvar a pele, com acordos para a partilha do poder. Os soldados americanos estão de saída, mas, o governo enviou três mil soldados, para retirar o pessoal diplomático de Cabul. Outros países seguem o exemplo. As Nações Unidas pedem, aos países vizinhos, para abrirem as fronteiras. Mais de 3 milhões de refugiados já abandonaram o Afeganistão. Está tudo pronto para a desgraça. Estejamos prontos para as lágrimas de crocodilo.

[Foto: Reuters]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Desafinação

por Miguel Bastos, em 20.05.21

israel.jpg

Em 1999, um professor palestiniano e um maestro israelita fundaram uma orquestra, com músicos árabes e judeus, de Israel e da Palestina, e de vários países do médio-oriente. Edward W. Said e Daniel Barenboim queriam chamar a atenção para o conflito israelo-palestiniano e a Orquestra West-Eastern Divan tornou-se um exemplo de que é possível trabalhar, em harmonia, com pessoas de diferentes religiões, etnias e nacionalidades.
 
O esforço de ambos tem sido compensado com salas cheias e prémios, em todo o mundo. Mas, também houve dissabores: particularmente, em Israel. Em 2001, Barenboim foi criticado por interpretar Wagner (compositor conotado com o antissemitismo), com uma orquestra alemã, em Jerusalém. Dois anos depois, Said morreu. E, no ano seguinte, vários políticos israelitas manifestaram desagrado com o discurso do maestro, quando recebeu um importante prémio, na área da música. Barenboim questionou a violação dos direitos fundamentais dos palestinianos, por parte de Israel, e afirmou que não percebia como é que o povo judeu - alvo de tantas discriminações, perseguições, deportações e mortes - podia ficar indiferente ao sofrimento dos palestinianos.
 
Descendente de judeus russos, Daniel Barenboim nasceu na Argentina e mudou-se para Israel, aos 10 anos. Aos 15 anos, obteve passaporte israelita. Há 15, obteve passaporte palestiniano. Na altura, considerou que um judeu com passaporte palestiniano funcionava como metáfora da solução "dois estados independentes", a única forma de alcançar a paz na região. Mas, a esperança de Barenboim parece ter terminado. O maestro não toca em Israel, há mais de 10 anos. Pior, afirma que não o voltará a fazer. O ouvido de Barenboim não aguentou tanta desafinação.
[Foto: Mohammed Salem / Reuters]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cabo Delgado

por Miguel Bastos, em 01.03.21

cabo delgado.jpg

Cabo Delgado tem estado longe das "gordas" dos jornais, da rádio e da televisão. Este trabalho, do enviado especial da Antena 1, Nuno Amaral, é uma ajuda importante para quebrar um silêncio que incomoda. A rádio - aquela que interessa e que importa - está aqui e agora, sempre; e no fim do mundo, quando é preciso. Ao fim e ao cabo, a rádio está onde deve estar: Cabo Delgado.

Pode ouvir aqui:

https://www.rtp.pt/noticias/mundo/cabo-delgado-numero-de-deslocados-continua-a-aumentar_a1300813

Autoria e outros dados (tags, etc)

O bom gigante

por Miguel Bastos, em 18.02.20

marega.jpg

Um dia, não aguentou mais. O jogador, com cerca de 2 metros de altura, pegou num banco sueco, com cerca de 3 metros, e fê-lo rodar, varrendo a bancada de onde vinham os insultos. Aquele gigante negro provocou, em mim, uma explosão de emoções: surpresa, espanto, medo, riso, alívio, redenção. Eu estava na barricada certa, mas na bancada errada. Aquele bom gigante estava a ser vítima de um tratamento indigno, que me deixou envergonhado, enojado, revoltado. Aquele banco a rodar sobre os infames pareceu-me a reposição da justiça, digna de um filme. Habitualmente doce e amável, o gigante negro, agora acossado e ferido, transformava-se em super-herói, à nossa frente, para gáudio de todos nós.

Foi há quase 40 anos, num jogo de basquetebol, da segunda divisão. Esta coisa não é nova, não é portuguesa, nem é do futebol. Isto é coisa da guerra. A guerra atrai milhares de pessoas aos recintos desportivos. E, na guerra, vale tudo: não se limpam armas, não se olha a meios, não se olha a gente. 
 
[Foto Hugo Delgado]  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Conferência da Crimeia

por Miguel Bastos, em 11.02.20

Conferencia-de-Yalta.jpg

Há 75 anos, Roosevelt (Estados Unidos), Churchill (Reino Unido) e Staline (União Soviética) decidiram reeditar o Tratado de Tordesilhas e dividir o mundo em dois. Nessa altura, a guerra ainda estava quente. Não tardou a ficar fria

Autoria e outros dados (tags, etc)

Viver sem aprender

por Miguel Bastos, em 10.05.19

IMG_0403.JPG

Umas das coisas que sempre me impressionou nos filmes da Segunda Guerra Mundial é a forma como as pessoas continuam a viver: afogadas nas pequenas coisas do quotidiano, indiferentes ao nazismo - mesmo quando ele já se materializa em guerra. Até que, de repente ficam sem trabalho, sem casa, sem direitos, sem filhos, sem pais, sem vida. É sempre inquietante para nós, que já sabemos o fim da história, assistirmos ao comportamento daquela gente. No caso de Else - mulher, alemã, judia, casada com um cristão da alta burguesia - nada conseguia abalar a sua vida burguesa, boémia e frívola: com direito a festas, vestidos, espectáculos e amantes. Mesmo quando teve que abandonar a Alemanha e instalar-se na Bulgária, continuou a ter uma vida irreal: vivia numa casa com empregada, passava férias na praia. Até que o cerco apertou e ela foi perdendo tudo: uma coisa de cada vez.

 

O livro “Tu não és como as outras mães”, de Angelika Schrobsdorff, fala desta mulher (Else, a mãe da autora) que, apesar de ter abandonado a fé judaica, será sempre considerada uma judia e sofrer, na pele, as consequências da sua condição. Mas, o que achei mais chocante é que o livro não acaba com o fim da Segunda Guerra Mundial, com o habitual direito à vitória da justiça, à catarse, à felicidade. E, ao estender-se no pós-guerra, assistimos, através dos olhos de Else - mulher profundamente transformada pela guerra - à repetição dos mesmos comportamentos, da mesquinhez, dos vícios que existiam antes da guerra. Como se os seres humanos (todos nós) fossemos incapazes de aprender a viver, apenas para sobreviver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O som da Síria

por Miguel Bastos, em 20.04.18
siria filme.jpg

Ouvi o realizador belga, a dizer que, na Síria, o som é muito importante. A pessoas habituaram-se a ter os ouvidos alerta, para perceber se há guerra nas redondezas. Para perceber a que distância podem estar os tiroteios, os carros de combate, os bombardeamentos. Se podem sair de casa, ou se é melhor abrigarem-se.

 

As pessoas podem tentar ver pela janela. Mas serve de pouco. Os olhos pouco alcançam. Talvez a rua, os vizinhos da frente, o parque das traseiras. E se virem gente aos tiros e bombas a cair, é porque já é tarde de mais. O ouvido é, portanto, fundamental.    

 

Ora, eu, que sou todo ouvidos, a viver numa sociedade dominada pelas imagens, achei isto muito curioso. E deixei-me ficar a ouvir, deliciado, a reportagem sobre o filme "Na Síria", de Philippe Van Leeuw. E, depois, o programa inteiro. O Cinemax, da Antena 1, com edição de Tiago Alves, é um programa sobre cinema feito, apenas, com sons. Sons que nos fazem ver, por antecipação. Por antecipação, como na Síria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Goethe e Ghouta

por Miguel Bastos, em 23.02.18

ghouta.jpg

Goethe (escritor alemão) e Ghouta (região da Síria) pronunciam-se de forma semelhante. Não é a única semelhança. No Fausto, de Goethe, e na guerra, de Ghouta, vendeu-se a alma ao diabo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2021

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D