Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Federação de Futebol

por Miguel Bastos, em 02.02.24

fff.jpg 

- Porque é que tens um disco da Federação Francesa de Futebol?
- Como?!
- Diz, aqui, "FFF".
- Ah, mas isso quer dizer "Federação Francesa de Funk".
- E isso é o quê?
- Uma banda francesa, de música funk.
- Que eu nem conheço....
- Põe a tocar e ficas a conhecer.
- Não achas estranho tu conheceres uma banda francesa, que eu não conheço?
- Não.
- Os portugueses conhecem música que nós, os franceses, não conhecemos.
- Descansa, não são os "portugueses". Sou só eu.
 
Para ouvir, aqui:
 

F.F.F. - Marco (Clip officiel)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Paris, sempre

por Miguel Bastos, em 14.03.23

paris.jfif 

Gosto muito destes dois vizinhos: tão diferentes, tão iguais. Comecemos pelas capas. Parecem daqueles discos baratinhos, que se vendiam nas margens do Sena, a turistas apressados, na cidade dos clichés: "a cidade luz", "a capital do amor". "Ah, Paris!"; "Ah, o Arco do Triunfo!"; "Oh, a Torre Eiffel!". Na realidade, o disco original de Michel Legrand chama-se "I Love Paris" e não tem esta capa. Começa com o tema-título, o clássico de Cole Porter, e equilibra-se, ao longo do disco, entre visões "de fora" e "de dentro" sobre Paris. Os compositores vão de Jerome Kern a Offenbach. As orquestrações, de Legrand, respiram "jazz" e "chanson", em doses generosas.
 
Se a Paris, de Legrand, é moderna e cosmopolita, a Paris, de Dimitri from Paris, é pós-moderna. Não rejeita um só cliché. Pelo contrário, assume-os todos: absorve-os, acentua-os e devolve-nos os clichés, de forma diletante e divertida. Inventa um personagem: o sargento Bill T. Hawthorne que terá desembarcado na Normandia, para libertar Paris, onde uma tal Monique lhe prendeu o coração, em Montmartre. Mostra o "Monsieur Dimitri", na sua "pied à terre", na Riviera francesa. A música, entrecortada por vários interlúdios, mistura rimos latinos, "house" e "funk", com música de bar de hotel e filmes de espiões. Uma delícia. No final, ouve-se alguém a dizer: "Ah, Paris sera toujours Paris". Será. Paris será o que cada criador quiser. Será o que cada um de nós quiser.

Autoria e outros dados (tags, etc)

À boleia

por Miguel Bastos, em 27.12.22

bruce.jpg 

- Vais trabalhar?
- Vou.
- Dou-te boleia?
- Não vale a pena.
- Deixa-te de coisas. Cantamos pelo caminho.
- Obrigado, boss.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais ou menos

por Miguel Bastos, em 25.11.22

Gosto mais ou menos de Bruce Springsteen. Peço desculpa, mas é mesmo isso. Gosto (só!) mais ou menos, e sempre foi assim. Foi assim, quando o conheci, em 1984, a fazer concorrência no top de preferências adolescentes aos Bon Jovi, à Madonna e ao Bryan Adams. Gostava mais dele do que dos outros, mas, gostava (só!) mais ou menos. "Tens de ouvir para trás", diziam-me. Ouvi: "The River" (lindo!), "Born to Run" (Que explosão de energia!). Mais ou menos, mesmo assim. À medida que as canções iam correndo nos discos, eu ia perdendo o interesse. "Tens de ouvir o lado mais intimista". Ouvi "Nebraska" (boas letras, boas canções, boa voz). Mas, faltavam-me sempre coisas. Faltava-me um baixo pulsante e uma percussão inventiva. Faltava-me um naipe de metais, um coro de vozes negras, uma secção de cordas, uma guitarra funk. Faltava-me aquilo que Bruce Springsteen me dá no novo disco, tudo de uma só vez - que o homem tem fama de ser generoso. Gosto da versão de "Nightshift", a primeira canção que os Commodores editaram, depois da saída de Lionel Richie. É da altura de "Born in the USA" e é uma homenagem a dois mestres da soul: Jackie Wilson e Marvin Gaye. Representa bem o novo disco de Bruce Springsteen, que é (todo ele) uma homenagem aos grandes nomes da música negra. Pode não ser uma obra-prima, pode irritar alguns fãs, pode não ficar na galeria dos discos fundamentais. Mas, a mim, fez-me sorrir. E é melhor (muito melhor) que o Lionel Richie. Continuo a sorrir. Obrigado, patrão!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Anitta de blue jeans

por Miguel Bastos, em 28.06.22

anitta.jpg

Só conheço a Anitta dos discos do Marco Paulo. Foi aí que aprendi que a Anitta "é linda de blue jeans" e pouco mais. Mas a Anitta foi tema de conversa ("viste?" - "não, não vi"), e comentários ("que espetáculo!" - "a sério?"; "que horror!" - "não posso!"). E, até, de ensaios elaborados (análises feministas sobre emancipação e empoderamento; análises marxistas sobre luta de classe e a afirmação dos mais pobres). Li algumas coisas com curiosidade, interesse e até divertimento. Só que os divertimentos vinham, sobretudo, de Mozart - que teimou em não sair dos meus auscultadores (tenho um fraquinho pelo 136).
De modo que, se hoje quiserem tecer comentários (mais epidérmicos) ou elaborarensaios (mais aprofundados) sobre a obra de Mozart, terei todo o prazer em lê-los atentamente. E, até, de os acompanhar com uma escuta, atenta, da música de Anitta. Assim, fazia o pleno. [Fotografia: Miguel A. Lopes/EPA/EFE]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tanga fascista

por Miguel Bastos, em 04.02.22

Em 1981, os Heaven 17 lançaram "(We Don't Need This) Fascist Groove Thang". A canção fazia alusões a Margaret Thatcher e referências diretas a Ronald Reagen, e alertava para os perigos do racismo e do fascismo. A banda vinha da eletrónica de laboratório, mas adorava "soul" e "funk" e, na melhor tradição da cultura negra norte-americana, fez uma música que apelava à dança, com uma letra que recorria ao calão da rua. "Thang" é "thing", mas eu sempre gostei de pensar que era "tanga". Traduzindo: "Nós não precisamos desta tanga fascista". A difusão da canção esteve proibida pela BBC. A mesma BBC que, 30 anos depois, os convidou para esta interpretação enérgica de "Fascist Groove Thang". Entretanto, passaram 10 anos. A música continua irresistível. A letra continua atual. Demasiado, até. Dancemos, então.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Marvin Gaye

por Miguel Bastos, em 01.04.21

Marvin Gaye morreu, faz hoje 38 anos. Em 2021, há quem insista que Marvin não morreu. Como os malucos que acham que o Elvis continua vivo. Mas, neste caso, os malucos fazem bem. Estes malucos fazem mesmo bem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Princesa

por Miguel Bastos, em 26.03.21

diana.png

Sou um republicano, com um fraquinho por princesas. E, hoje, a Princesa Diana faz anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fase negra

por Miguel Bastos, em 23.10.20

fase negra.jpg

Acho que estou, novamente, numa fase negra. Mas, não se preocupem: estou a adorar.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2024

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D