Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Amor é Amar

por Miguel Bastos, em 19.01.21

carlos carmo.jpg

Há um disco do Carlos do Carmo que se chama "Mais Do Que Amor é Amar". Gosto muito do título, porque nos remete para a ação. Mais importante do que louvar o amor, um conceito necessariamente abstrato, é praticar o amor. Carlos do Carmo morreu, no início deste ano, e eu lembrei-me de partilhar a pequena história de uma entrevista que estava prevista para ser em estúdio, mas que acabou por ser feita ao telefone. Uma coisa minha, corriqueira, mas que me marcou muito e talvez fosse agradar a alguém: 200, 300, 400 pessoas, talvez. As que, habitualmente, me leem por aqui. Mas, o texto teve um impacto surpreendente: no Linkedin, por exemplo, foi lido por mais de 60 mil pessoas. Já me tinha acontecido uma ou duas vezes, nem sempre pelas melhores razões. Por exemplo, por criarem uma polémica que não procurei. Normalmente, encolho os ombros e sigo em frente. Deixo de ser dono do que publico. Desta vez, porém, fiquei, sinceramente, feliz pelo texto ter tocado muitas pessoas. Pelo Carlos do Carmo - pela sua arte, pela sua vida, pela sua voz - mas, também, por achar que se praticou o amor. E estamos tão necessitados dele.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Obrigado, Carlos do Carmo

por Miguel Bastos, em 01.01.21

carlos carmo.jpg

Tinha havido uma alteração de agenda e Carlos do Carmo não poderia falar comigo. Expliquei que a entrevista já tinha sido anunciada e que tínhamos de ter um plano b. Acabámos por marcar uma entrevista telefónica, com a promessa, da minha parte, de que não poderia ser muito longa. O Carlos, explicaram-me, não gostava de falar muito tempo ao telefone. Respondi que precisava apenas de 10 minutos ao telefone. Gravámos 12 e dei a entrevista por concluída. "Foi uma conversa muito agradável, sabe?", disse-me o charmoso do outro lado da linha, "Porque se sente que gosta de ouvir. Que idade tem?". "Menos de quarenta", respondi. "Interessante. Estava a tentar perceber a sua idade e não estava a conseguir". "E posso saber, porquê?", perguntei. "Porque, geralmente, as pessoas mais novas não têm paciência para ouvir e as mais velhas já não tem curiosidade para perguntar. Você parece que tem as duas coisas". E, depois, ficámos a conversar mais de meia hora. Carlos do Carmo, o cantor que não gostava de falar ao telefone, acabou a perguntar-me "Estou-lhe a roubar muito tempo, não estou?". Eu disse-lhe que não e ele atalhou "De certeza que tem mais que fazer. Deixe-me pedir-lhe que nunca perca a curiosidade e o gosto por conversar". Desligámos o telefone. A entrevista durou os 10 minutos programados. O melhor ficou para mim. Obrigado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ruas vazias

por Miguel Bastos, em 17.04.20

Tenho pensado muito neste fado de Camané. "A minha rua" é um fado tradicional, com uma letra (maravilhosa) de Manuela de Freitas que parece ter sido feita para este dias.

Há quem diga "ainda bem",
Está muito mais sossegada
Não se vê quase ninguém
E não se ouve quase nada.

Eu vou-lhes dando razão
Que lhes faça bom proveito
E só espero pelo verão
P´ra pôr a rua a meu jeito

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ai Portugal, Portugal

por Miguel Bastos, em 29.12.16

zambujo e ana moura.jpg

Há uns anos, o Tó-Zé Brito disse-me que os Beatles deixaram algumas das melhores canções da história da música popular; mas, por outro lado, perpetuaram a ideia de que os intérpretes devem ser autores das suas canções.

 

Carlos do Carmo ou Frank Sinatra nunca precisaram de escrever uma linha, para serem cantores de topo. É bom ser um Beatle, mas é difícil. Ser, ao mesmo tempo, bom músico, bom cantor, bom compositor, bom orquestrador e bem parecido - é coisa rara. Em Portugal, como no resto do mundo, há gente que canta bem, mas a letra é sofrível e a música fraquinha. Ou que é um excelente compositor, mas um intérprete questionável. A nova geração de fadistas, veio romper com essa necessidade de se cantar o que se escreveu. Temos António Zambujo ou Ana Moura a cantar letristas e compositores que, dificilmente, seriam ouvidos em Londres, Paris, ou Rio de Janeiro. Penso em Pedro da Silva Martins (Deolinda) ou Miguel Araújo, que são compositores e letristas dotados de um talento raro e precioso, que têm interpretes à altura do seu talento e vice versa.

 

É por isso que eu acho que a música portuguesa está a passar um bom momento. Portugal já não espera, como na canção de Jorge Palma. Portugal pensa e faz. E é ouvido.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Março 2021

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D