Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Darwin

por Miguel Bastos, em 15.06.22

darwin.jpg

 - Ó pai! Sabes quem é que vai sair do Benfica?
 - Não.
 - O Darwin.
 - Ahhhh...
 - Sabes que é que o vai substituir?
 - O Humboldt?
 - Quem, pai?! É um avançado?
 - Não, é um naturalista.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Guerra na Ucrânia

por Miguel Bastos, em 29.03.22

ucrania.jpg

- Estás a ler um livro sobre a guerra da Ucrânia?
- Estou.
- A sério, já há livros sobre a guerra na Ucrânia?
- Já, mas não é bem sobre esta guerra.
- É sobre a 2.ª Guerra Mundial?
- Também não. É da altura em que a Rússia invadiu a Crimeia, que é uma região...
- Eu sei onde é.
- Estou a ver, tu sabes muitas coisas.
- O Putin está a tentar refazer a União Soviética, não é?
Nuno, 9 anos de sabedoria. Estudante (de Ciência Política ou Relações Internacionais, presumo).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Conquistas de Abril

por Miguel Bastos, em 23.03.22

filhos da madrugada.jpg

Há uns dois ou três anos, andou por aí uma polémica sobre um jovem que aguardava financiamento para fazer um doutoramento. Ao que parece, o jovem era bom aluno, o trabalho seria interessante, o orientador competente e a faculdade que o aguardava era de fama internacional. O jovem é uma figura pública, tornou a sua situação pública e obteve tempo de antena nos media e nas redes sociais. E parece que, na falta de financiamento público teve ajuda, pública, de financiamentos privados. Para mim, a situação foi confrangedora. Porque existem centenas de jovens como este, com a vida empatada, por atrasos em concursos públicos. Porque é que este caso foi tão falado? Porque veio de alguém, com acesso aos media e aos espaços de opinião. Gastamos muito tempo a falar das diferenças entre esquerda e direita (que existem e devem ser discutidas), mas guardamos pouco tempo para discutir as diferenças entre ser de "cima ou de baixo".

Acabar com as diferenças entre "os de cima e os de baixo" tem sido uma das maiores conquistas de Abril. É pena que alguns defensores de Abril se esqueçam disso. Foi por isso que eu gostei tanto do livro "Os filhos da madrugada", de Anabela Mota Ribeiro. Mostra um país de gente jovem, culta, inteligente, talentosa: escritores, artistas, políticos, empresários, cientistas. Muitos deles, vêm de meios humildes, marcados pela pobreza e pelo analfabetismo. É o país do "Eu vim de longe" do José Mário Branco, do "o que eu andei p'raqui chegar". É o país que chegou aqui, felizmente. Mas que continua a ter muito para andar, felizmente.

Amanhã, na RTP,  Anabela Mota Ribeira estreia uma nova série do programa "Os filhos da madrugada". Amanhã, será o primeiro dia em que haverá mais dias de democracia do que de ditadura. Amanhã, será um bom dia para celebrar Abril. Será mais um dia, mas não será um dia a mais. Todos os dias contam. Todas as pessoas contam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Maestrinas

por Miguel Bastos, em 10.03.22

alondra.jpg

Com 13/14 anos, Alondra de la Parra já queria ser maestrina. Mas depois perguntava-se, a si própria, como é que isso seria possível: "Os maestros têm de ser alemães, muito velhos e de cabelo branco. Eu sou mexicana, sou uma criança e sou mulher". Bem, Alondra de la Parra é maestrina. Já não é criança (o tempo cura tudo!), mas continua a ser mulher e mexicana. A sua história passou, ontem à noite, na RTP 2, e apanhou-me a meio de outra história - a de Angela Merkel. Esta é alemã, mas essa será a única vantagem. Aliás, é só meia vantagem. Porque Angela veio da Alemanha de Leste. As restantes caraterísticas, eram semelhantes, na desadequação. Era uma mulher, no meio de homens. Era uma jovem cientista: demasiado jovem, demasiado provinciana, demasiado descuidada.
Ambas sabem que, lá fora, existe um mundo de oportunidades. E agarraram-nas. Mas, também sabem que o mundo não é justo. E, no entanto, ele move-se. Umas vezes, aproveitaram as mudanças do mundo. Outras vezes, promoveram, elas próprias, essas mudanças. Umas vezes, foram (ainda) aprendizes. Outras vezes, foram (já) feiticeiras. Maestrinas, as duas: cada uma à sua maneira.
 
Para ver o documentário: clicar na imagem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

É só conversa

por Miguel Bastos, em 12.01.22

antena aberta.jpg

"Falam, falam, falam"; "Prometem isto e aquilo"; "É só conversa".
"A democracia é sobretudo conversa", responde Adelino Maltez, "conversa pluralista".
O Professor Jubilado de Ciência Política tem acompanhado, "com muito entusiamo", os debates na televisão: "têm sido uma festa da democracia. Faz-me lembrar os primeiros tempos da democracia pluralista". E, depois, fala numa espécie de "Taça de Portugal" da democracia, em que os pequenos partidos jogam com os grandes, de igual para igual.
Conversemos, então.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A confiança

por Miguel Bastos, em 07.12.21

tedros.jpg

A pandemia aumentou a confiança dos portugueses na ciência e nos profissionais de saúde, refere um estudo da Universidade do Porto, que indica que a população passou a confiar menos nos políticos e nos jornalistas. Espero não ser corporativista, mas fui ver os alinhamentos dos noticiários que referiam o estudo. Eis alguns exemplos:
 
- o governo português garante que está tudo a postos para vacinar os menores
 
- o segundo voo de repatriamento de portugueses, vindo de Moçambique, chegou a Lisboa
 
- a vacinação obrigatória está em discussão, em vários países
 
Claro que podemos (e devemos) discutir as medidas de combate à pandemia, a sua aplicação e fiscalização ou o tempo de decisão. Mas temo que a generalidade das pessoas tenha ficado com a ideia que "os políticos" andam a discutir as vacinas e os confinamentos, enquanto os médicos andam a trabalhar, o que, manifestamente não é verdade. Não são os médicos que compram vacinas, que abrem centros de vacinação, que fecham escolas. Já têm trabalho que chegue.
 
Evidentemente, há muitos casos em que os políticos falham. A nova variante, por exemplo, veio por a nu uma evidência: África continua arredada do processo de vacinação e, enquanto for assim, não será possível controlar a pandemia. E quem é que denúncia isto? Os médicos e cientistas, mas, também, as Nações Unidas, dos... políticos.
 
E, já agora, como é que isto tudo se sabe? Parece que os jornalistas disseram qualquer coisa sobre o assunto. Os mesmos jornalistas que perdem a confiança das pessoas, por causa de fenómenos como a "desinformação" e as chamadas "'fake news'", que são o oposto do jornalismo.
 
O mundo está confuso e as pessoas têm todo o direito de andarem atentas e desconfiadas. Mas, gritar por gritar, disparar em todas as direções ou deitar tudo para o mesmo caixote do lixo, só vai piorar as coisas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Filho de peixe

por Miguel Bastos, em 24.05.21

- Filho da ***ta!
- Então, meninos, que linguagem é essa?
- Desculpa, pai, estava aqui a ajudar o mano.
- E o que é que vocês estão a fazer?
- A estudar os animais da serra.
- Humm...
- E eu disse, ao mano, que o filho deste peixe era o filho da truta.
- Engraçadinho!
- Porquê, sabes o nome dele?
- Não.
- Então, ficamos assim (sorri): filho da truta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lua e Marte

por Miguel Bastos, em 19.02.21

marte.jpg

Só agora é que me apercebi que aterrámos em Marte. Desculpem, sou mesmo um cabeça na lua!
 

https://www.rtp.pt/noticias/mundo/perseverance-pousa-em-marte-sem-problemas-ola-mundo-o-meu-primeiro-olhar-a-minha-casa_n1298544

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ver para crer

por Miguel Bastos, em 29.05.19

Sim, a Teoria da Relatividade foi comprovada há 100 anos. Não, não bastou formular a teoria. Foi preciso ver para crer. Em São Tomé, curiosamente.

relatividade sao tome .jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2022

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D