Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ajuste das contas

por Miguel Bastos, em 16.03.16

orcamento 2016.jpg

O PSD acha que as coisas vão de mal a pior… O PS acha que está na altura do PSD mudar de atitude. Toda a esquerda criticou a atitude do PSD. Até, dizem, o CDS já mudou. De atitude e não só, digo eu. O CDS já tinha falado da geringonça. O PS fala, agora, da caranguejola. O Presidente do PS tenta a metáfora. Vamos ver se cola.

 

O PS quer que o PSD tenha uma atitude construtiva. O PSD responde que a responsabilidade está do lado do governo. O PSD acha que, sem o apoio da esquerda, o PS deve-se demitir. O PS responde que o PSD é que se demitiu. O PSD diz que a esquerda perdeu as eleições. A esquerda diz que acabou o autoritarismo da maioria de direita.

 

O jogo de ping pong distrai-nos da renegociação da dívida e das críticas à submissão ao euro, ao pacto de estabilidade, ao tratado orçamental feitas pela esquerda da esquerda. Ou do enorme aumento de impostos e da austeridade, referido pela direita da direita.

 

Contas feitas… as contas do orçamento foram aprovadas. Mas falta, ainda, o ajuste de contas. Não vai ser para já… Já agora, quem conta as contas acrescenta-lhe umas pontas…

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os gostos discutem-se

por Miguel Bastos, em 24.11.15

costa cavaco.jpg

Cavaco chamou António Costa. Chamou ontem, para impor condições. Chamou hoje, para António formar governo. António Costa vai, mesmo, ser primeiro-ministro.

 

Pela primeira vez, na história da democracia portuguesa, não vai governar quem teve mais votos, mas antes quem conseguiu o apoio no parlamento. Pela primeira vez, há uma solução que inclui os partidos à esquerda do PS. Se isso é bom ou mau, é o que se vai ver.

 

Toda a gente andou a discutir a questão da constitucionalidade. De repente, ficámos todos constitucionalistas. Depois, discutimos a legitimidade. Bem, foi tudo legítimo. A coligação ganhou, legitimamente, as eleições. O Presidente convidou, legitimamente, Passos Coelho para formar governo. A oposição chumbou, legitimamente, o governo. Cavaco Silva ouviu, legitimamente, quem achou que devia ouvir. E, final e legitimamente, convidou António Costa a formar governo.

 

Foi tudo legal e foi legítimo. Isso não quer dizer que se ache bem. E que se goste do processo e do resultado. Mas isso, são gostos. E os gostos discutem-se, feliz e legitimamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cavaco e a maioria

por Miguel Bastos, em 23.07.15

cavaco eleicoes.jpeg

Cavaco Silva já fixou a data das eleições: 4 de Outubro. Uma boa data, já que deixámos de celebrar a República, de que Cavaco é presidente. Em frente. Para além de fixar a data, Cavaco pediu: "uma maioria estável no Parlamento”. Referiu que é necessária estabilidade, já que continuamos sujeitos a uma forte disciplina financeira.

 

Os partidos não tardaram a reagir: o PSD e o CDS acham que a actual coligação é a única que garante a estabilidade; o PS diz que “é o único partido que pode consagrar uma maioria absoluta”; o PCP lembra que “a estabilidade política significou desestabilização” dos portugueses; o Bloco considera que Cavaco “não tem nenhum mandato” para impor uma maioria ao país.

 

Portanto, tudo na mesma, como a lesma. Os coligados acham que personificam o desejo de Cavaco; o PS também, mas vai fazer tudo sozinho; o PCP e o BE põem-se de fora (como sempre). Os outros dificilmente contam. Em Portugal, uma coligação continua a ser um bicho de sete cabeças. Cavaco tem razão: “não há nenhum motivo para que Portugal seja uma exceção”. Mas vai continuar a ser… Vou ver o Borgen. Está gravado.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D