Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Dias às pinguinhas

por Miguel Bastos, em 30.04.24

fame.JPG 

Ontem, foi Dia da Dança. Hoje, é Dia do Jazz. Em vez de estar a fazer dias às pinguinhas, devíamos apostar em grande e fazer tudo num só dia. O Dia da Dança Jazz. Fica a sugestão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

TV Rural

por Miguel Bastos, em 29.04.24

Em 1960, o eng. Sousa Veloso criou o "TV Rural". O programa de televisão durou 30 anos; atravessou a ditadura e a democracia; a direita e a esquerda; o "orgulhosamente sós" e o "ai, os senhores da Europa"; a televisão a preto e branco e a cores. Passados mais de 60 anos (e 50 do 25 de Abril) o que mudou? Pelos vistos, pouco.

O presidente da República considera que o primeiro-ministro é lento, porque é rural. Estão a ver o estereótipo? Urbano é rápido. Rural é lento. Urbano anda de carro. Rural anda de trator. Urbano é sofisticado. Rural é arcaico. A autarca de Espinho (terra de Montenegro) não gostou do que ouviu. Disse que a cidade tem pouco de "rural", que é um destino de verão de pessoas endinheiradas e que até tem um casino (ena, ena!). Convidou, depois, o presidente a visitar Espinho. "Para quê?", pergunto eu, "Para ver um casino?!" O presidente mora perto de um, não precisa de ir a Espinho. Sem querer (presumo), a autarca de Espinho - ao querer contrariar o presidente - acaba por partilhar o mesmo estereótipo.

Por mim, gostava mais que tivesse dito "Quem diz é quem é" (viram o nível de sofisticação?!) e se despedisse "com amizade até ao próximo programa".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Saudades

por Miguel Bastos, em 24.04.24

chocolate.jpg 

As pessoas gostaram (mesmo!) das amêndoas de chocolate. "Que saudades!", disseram umas. "As melhores amêndoas de chocolate de sempre", disseram outras. "As saudades que eu já tinha destas amêndoas", disseram outras, ainda. As reações foram tão efusivas, que a marca das amêndoas se sentiu na obrigação de emitir um comunicado. Dizia qualquer coisa como "Agradecemos a reação dos nossos clientes, mas a verdade é que nunca tínhamos feito amêndoas de chocolate". É uma daquelas marcas que sofreu com a chegada do "progresso" e que, agora, beneficia (merecidamente) do mercado da "saudade". Lembrei-me desta história, porque, esta manhã, ouvi, na rádio, uma reportagem sobre o encerramento de mais uma loja histórica no centro da cidade. E depois, trocando de estação, ouvi um entrevistado a lamentar o fim do teatro radiofónico. "Mas ainda existe", diz-lhe o jornalista. "A sério?", espanta-se o entrevistado. "Sim". "Ah, não fazia ideia".
 
Andamos, todos, com tantas saudades, que temos saudades do que ainda existe e, até, do que nunca existiu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Escolher nomes

por Miguel Bastos, em 23.04.24

"Quem escolhe os nomes não é a comunicação social, é mesmo a direção nacional", disse o secretário-geral do PSD, depois de ir à "comunicação social" escolher um nome. Sim, é o partido que escolhe os nomes. E não, não confunde alhos com bugalhos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Madonna

por Miguel Bastos, em 22.04.24

madonna.jpg 

- Ó pai, tens o número da Madonna?
- Achas?! É claro que não.
- Pensei que tinhas.
- Porque é que, eu, haveria de ter o número da Madonna?
- Sei lá! Tens o número de tanta gente importante.
- Pois, mas da Madonna não tenho.
- Tens a certeza? Parece que o estou a ver aqui.
- Puseste uma coisa a dizer Madonna no meu telefone?
- Ya.
- E posso saber para quê?
- Então, pai?! Para dar "style"!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ver, sem crer

por Miguel Bastos, em 19.04.24

patti.jpg 

Patti Smith e Robert Mapplethorpe eram tão pobres, tão pobres, que iam, à vez, a museus, galerias ou cinemas. Um entrava, o outro ficava à porta, à espera. O primeiro tinha como missão contar o que viu, ao segundo. A capacidade de chegar ao objeto artístico, dependia da capacidade do primeiro contar o que viu; e do segundo de imaginar o que o primeiro teve oportunidade de ver. Patti conta esta história (e muitas outras) no livro "Apenas Miúdos". Fiquei muito sensibilizado pela história. Porque revela cumplicidade, generosidade, partilha. Porque me lembro de fazermos isso, em casa: por falta de dinheiro, de tempo, de idade. Porque me lembro de conseguir ver filmes, museus, cidades, concertos, nas palavras dos meus irmãos ou dos meus amigos. Porque  tenho pena que, cada vez mais, se insista em mostrar tudo, em ver tudo - apenas, para não ver nada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alegria da pobreza

por Miguel Bastos, em 18.04.24

germano 2.JPG 

"Nem a alegria da pobreza", nem a elegia da riqueza. Germano Silva - o decano dos jornalistas - apresentou-se no programa "Primeira pessoa", de gola alta. Quando era criança, Germano queria ter uma camisola de gola alta. Pedia uma camisola de gola alta, ao menino Jesus. Mas, o menino Jesus nunca lhe trouxe uma camisola de gola alta. Germano achava que talvez fosse porque ele vivia numa casa muito, muito pobre. Não há alegria na pobreza. Pior, há um sentimento de culpa, que é triste. Muito triste. Porque os pobres - que já não bastava serem pobres - ainda tinham de pedir desculpa, por serem pobres, e carregar a culpa de serem pobres. Depois de ter sido várias coisas, Germano tornou-se jornalista e deixou de ser pobre, sem passar a ser rico. Germano tem dinheiro, para uma camisola de gola alta. "Agora tenho", diz ele, a atirar um sorriso à Fátima Campos Ferreira. Ao mesmo tempo, fala de "memórias gratificantes" da sua infância, pobre, em várias ilhas do Porto. Estive a rever o programa (que maravilha!). Fiquei mais rico.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Amália, para animar

por Miguel Bastos, em 17.04.24

amalia folclore.jpg 

E, portanto, como acordei meio tristinho, resolvi ouvir um bocadinho de Amália, para me animar. Sim, Amália tem canções alegres. Mas, muita gente não sabe. O que é triste.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Amália, no Dia da Voz

por Miguel Bastos, em 16.04.24

amalia_disco.jpg 

Com que Voz (Luís de Camões, Alain Oulman)

https://youtu.be/D1IcpekV7FM?si=gvKfuGG2UHkBFa1

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sede própria

por Miguel Bastos, em 11.04.24

sede.jpg 

A decisão em "Sede própria". A denúncia em "Sede própria". O processo em "Sede própria". "Sede própria" é expressão usada no "politiquês", no "juridiquês", no "futebolês. É jargão.
Mas, neste caso, é orgulho. Não vá alguém pensar que esta coletividade tem sede num clube vizinho ou numa casa emprestada pela junta. Não. Esta sede é "Sede Própria". Mesmo. Pumba!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2024

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D