Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


May há só uma

por Miguel Bastos, em 22.07.16

may ha so uma.jpg

Não me tinha apercebido da importância da questão da maternidade na escolha da sucessora de David Cameron. A adversária de Theresa May resolveu dizer que seria melhor primeira-ministra, porque era mãe. Theresa respondeu que ela e o marido não puderam ter filhos e que não queria aprofundar o assunto. Disse, ainda, que não lhe parecia que isso afetasse (positiva ou negativamente) a sua capacidade de governar o Reino Unido. Fez bem. Andrea Leadsom achou que a maternidade lhe traria votos. Não trouxe, felizmente. Entretanto, Theresa, a magna, nomeou Andrea para o governo.

 

A esfera privada é sempre uma área sensível. Na política, ainda mais. A regra devia ser sempre a reserva. Mas, nem sempre foi assim. Bill Clinton, por exemplo, esteve à beira da destituição, por causa de um affair. Contrariamente ao que seria expectável, o povo americano achou que a sua vida sexual não afetava o seu desempenho enquanto presidente. Felizmente, "o mundo pula e avança". Em Portugal, podemos ter um Presidente da República sem primeira-dama. No Reino Unido, é possível ter uma primeira ministra sem filhos. Isso só pode ser bom sinal.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Julho 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D