Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Samba, na corda bamba

por Miguel Bastos, em 10.04.15

samba.jpg

 

“Samba, como na dança”, diz a certa altura o personagem principal, a sorrir. Samba não tem muitos motivos para sorrir. É um emigrantes senegalês, há mais de 10 anos em França, ilegal. Não tem contrato de trabalho, porque não tem residência fixa. Não tem residência fixa, porque não tem contrato de trabalho. O absurdo de milhares de  emigrantes na Europa.

 

O filme é sobre a vida de Samba, dos que vivem como ele, dos que o tentam ajudar, dos que exploram o seu trabalho, e dos que o tentam apanhar. Todos vivendo e agindo, segundo regras absurdas.

 

O filme fala de tragédias, mas tem um tom ligeiro. Leio críticas que desaprovam o seu tom de comédia romântica. Não é alternativo que chegue? Pelos vistos, não. Mas não tem explosões, pistolas, perseguições de carro. Nem mulheres fatais, heróis e vilões. Uma raridade no cinema.

 

Este é um filme com uma história, com actores, com pessoas. Tem um tom ligeiro que me fez sorrir e rir, com gosto.

 

"Samba" dança na corda bamba, como a canção dos Clã. E não cai.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os independentes

por Miguel Bastos, em 09.04.15

paulo morais.jpgcoelhone.jpg

Paulo Morais vai ser candidato às presidenciais. Morais foi vice de Rui Rio, na Câmara do Porto, e tornou-se conhecido, enquanto vice-presidente da associação Transparência e Integridade.

 

Ao Correio da Manhã, o, agora, candidato diz que o combate à corrupção será a sua prioridade. Resta saber, como é que esse combate se pode fazer a partir de Belém…

 

Paulo Morais tem um discurso muito crítico sobre a classe política, que se aproxima de Henrique Neto, mas, também, de Marinho Pinto, que também pode vir a ser candidato às presidenciais. O que é que os vai distinguir?

 

Nas duas últimas eleições presidenciais, tivemos dois candidatos “independentes”. Na primeira, Manuel Alegre; na segunda, Fernando Nobre. Depois, Alegre foi o candidato presidencial do…. PS e Nobre foi candidato à Presidência da Assembleia da República (!), pelo PSD. Com os resultados que se conhecem.

 

Ser independente, não é bom, por si só. Nem é diferenciador: os próximos candidatos poderão ser Carvalho da Silva e Sampaio da Nóvoa.

 

Como diria Jorge Coelhone: “Os independentes são muito imprevisíveis..."

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Depois da gripe

por Miguel Bastos, em 08.04.15

Afinal, o último post era premonitório. Falei num produto para desentupir o nariz, sem saber que, entretanto, o meu se iria encher de mucosidade. E assim, escrever tornou-se uma dor de cabeça.

 

Não pude escrever sobre a vitória do PSD na Madeira, com maioria absoluta, sem maioria absoluta e com maioria absoluta outra vez. Nem sobre António Costa - presidente da Câmara ou António Costa - ex-presidente da Câmara. Nem sobre António Costa - o indiferente: indiferente, perante o resultado do PS nas eleições regionais da Madeira; indiferente, à candidatura de Henrique Neto às presidenciais.

 

O mesmo António Costa que, no último acto enquanto presidente da Câmara, andou a passear com um pré-candidato a presidente da República, enquanto dizia que não falava do assunto.

 

É inevitável, nos próximos meses vamos andar a falar, em simultâneo, de eleições legislativas e presidenciais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D